quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Férias!!!

Estou de férias do trabalho. Forçadas, na verdade. Minha empresa propôs férias coletivas de 15 dias a todos os funcionários e fui obrigada a tirá-las. Não que isso seja de todo ruim, mas eu sempre preferi curtir minhas férias inteiramente e não dessa forma, aos poucos. E ainda não conseguimos que o Nil também tivesse alguns dias de folga, resultado: ele está trabalhando enquanto eu fico em casa :-(
Estou com algumas novidades para postar, mas ainda vão levar alguns dias até eu preparar os texto e separar fotos. Aguardem que teremos posts bem legais por aqui.
Por hora, permitam-me voltar a curtir minha folga. Apesar das férias, tenho bastante coisas para resolver em casa e fora dela. Até mais.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Natal de amor, paz e justiça

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.” Isaías 9:6

Foi assim que o profeta Isaías anunciou a chegada do messias tantos séculos antes dela acontecer. A profecia dizia de uma alegria incontida que traria o nascimento de Cristo. Amor, paz e justiça sem fim. O reinado dEle seria pautado nesses princípios.

De fato, Jesus Cristo nasceu há mais de dois mil anos e você pode me perguntar: “Onde estão o amor a paz e a justiça? O mundo está cada vez pior!” A resposta é: Jesus veio, foi exemplo e nos ensinou todas essas virtudes, mas não foi recebido e aceito pela maioria de nós. Como querer que isso seja uma realidade se rejeitamos o Príncipe da Paz?

Comemoramos o natal todos os anos com muitas luzes, comidas boas, espumantes e muitos presentes. A exemplo do Dia de Ação de Graças dos americanos, o natal passou a ser para nós uma grande confraternização, quando encontramos família e amigos e nos reunimos para comemorar a fraternidade. Não que isso seja errado, de forma nenhuma. Também gosto dessas reuniões, das ceias fartas, dos presentes e de enfeites natalinos. O que quero dizer é que nenhuma comemoração, por mais bela e bem intencionada que seja, merece tanto apreço como a comemoração pelo nascimento de Jesus. Sua vinda teve um propósito traçado desde a fundação do mundo. Sendo Deus, ele se permitiu transformar-se em um de nós, humanos, e pagou com a própria vida uma dívida nossa para com Pai. Seu sacrifício se consumou com a morte e com a ressurreição e, principalmente por isso, temos o maior dos motivos para nos alegrarmos pelo seu nascimento, pelo cumprimento da profecia de Isaías, a consumação da promessa de Deus em nos fazer Seus filhos através de Jesus Cristo.

Podemos viver o amor, a paz e a justiça, mesmo num mundo tão difícil. Isso é possível quando Jesus nasce nos nossos corações, quando o natal deixa de ser uma simples data comemorativa do calendário cristão e acontece nas nossas vidas, intrinsecamente. A partir de então, começamos a viver pautados pelos princípios que regerão o reinado eterno de Jesus Cristo quando Ele voltar: amor, paz e justiça verdadeiros e eternos ao lado do Pai.

Feliz natal! Feliz renascimento de Jesus na tua vida!

**********************************************************************************

Este post faz parte da blogagem coletiva proposta pela Blogosfera Cristã sobre um tema relacionado ao natal. Passe por lá e veja como participar.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Meus medos

No meu perfil aqui no blog, eu me descrevi como uma pessoa que tem medo de tudo. Claro que isso é um exagero, ninguém te medo de TUDO. Mas, de fato, sou muito medrosa.

O medo é um sentimento muito difícil de lidar e está quase sempre ligado a situações vividas quando criança. Hoje consigo perceber que os meus medos, pelo menos a maioria deles, têm base na minha infância. Não quero que pensem que me sinto uma pobre traumatizada. Nada disso. Apenas quero compartilhar um pouco de mim e sugerir a pessoas responsáveis por crianças que não adotem certas posturas que foram adotadas comigo.

Pois bem. Não é nem um pouco fácil conviver com o medo. Ele não é um sentimento possível de se controlar. Muitas vezes ele nos deixa sem reação ou nos torna imprevisíveis. Diante de um cachorro, por exemplo, eu não consigo me mover, apenas grito. Esse é um dos meus maiores medos, o cachorro. Não importa o quanto ele seja pequeno, bonito, simpático, dito inofensivo, ele me causa pânico. As pessoas me perguntam se algum dia fui atacada. Graças a Deus, nunca aconteceu, mas quando criança, papai me proibia de tocar em qualquer animal, principalmente cachorro que ele detestava. Brigava mesmo comigo e ameaçava me bater, pois animais são sujos e perigosos, dizia ele. Então desenvolvi um pavor terrível, não só por cachorros, mas por qualquer outro animal. Não toco em nenhum e se encostarem em mim, sou capaz de ter um ataque. Não é nem um pouco agradável chegar à casa de alguém que tenha cachorro e não conseguir entrar enquanto ele não for preso, isso me deixa extremamente constrangida, pois muitas pessoas não entendem e pensam que é algum tipo de frescura. Gostaria que fosse, seria mais fácil de superar.

Outro dos meus medos (não riam, por favor) é o sobrenatural. Sei que fantasmas não existem e não chego a ser tão ridícula, mas sei também que o mundo espiritual existe e aprendi sobre isso de uma maneira terrível quando tinhas uns sete anos. Meu irmão mais velho já era casado e com filhos. Resolveram empregar uma menina adolescente para ajudar minha cunhada nos afazeres domésticos, era uma menina carente e sua família morava distante então ela praticamente moraria na casa do meu irmão. Acontece que a mãe da moça mexia com magia negra e a menina tinha problemas com possessão demoníaca. Algumas vezes presenciei a garota nesse estado e só posso dizer que é algo terrível de se ver. Lembro perfeitamente daquela situação horrorosa, da voz horrível, dos xingamentos, das tentativas de suicídio da menina para se livrar daquilo, enfim, de tudo. Nunca me convide para assistir a um filme de terror. Não consigo nem ao menos ouvir aquele som macabro das trilhas sonoras desse tipo de filme. Já cheguei a passar muitas noites sem dormir por causa disso, então resolvi não ter contato nenhum com qualquer coisa que me remeta a esses assuntos. Nem filmes, nem livros, nem mesmo conversas. Tem funcionado.

Sinto medo de muitas outras coisas, mas os dois principais são os que contei. Como todo mundo, tenho medo da violência. Jamais moraria numa casa com quintal, acho extremamente inseguro. Tenho medo do escuro, pois acho que qualquer tipo de mal está relacionado à falta de luz e também porque papai sempre mantinha as luzes apagadas enquanto assistíamos à TV. Eu odiava isso. Tenho muito, muito medo de sentir dor. Costumo dizer que não posso participar de nenhuma operação sigilosa, pois ao menor indício de tortura eu abro a boca e conto tudo, hahahaha! Como a maioria das pessoas (na verdade acho que todo mundo), também sinto medo da morte. Não por estar incerta do meu destino depois dela, mas pela forma como ela pode acontecer. Sofrimento físico é algo que me assusta profundamente, sempre fui uma manteiga derretida no que diz respeito a isso, então tenho receio sobre o método que a Dona Morte utilizará comigo, hehe.

É melhor parar de contar agora senão vão achar que sou uma neurótica, hehe. Mas quem não tem seus medos, não é? Ninguém pode negá-los. Um amigo me disse que só ficarei curada quando enfrentar meus medos. Ainda não criei coragem para isso, tenho medo...

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Blogagem Coletiva

O natal é o tema da blogagem coletiva que está marcada para 20/12. Fiquei sabendo pela Geórgia e resolvi participar e também divulgá-la por aqui. Ela está sendo promovida pela Blogosfera Cristã, se você não sabe como participar visite esse site e tenha maiores informações. Bye!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

CPMF: sim ou não?

Raramente escrevo aqui sobre política. O motivo disso é que meu sangue sempre ferve diante dos disparates e escândalos de gosto cada vez pior que nossos representantes nos enfiam goela abaixo, e acabo tendo vontade de me expressar no formato da minha indignação, o que me tiraria do salto. Porém, atendendo à solicitação de um ilustre comentarista deste blog, vou dissertar a respeito da novela denominada CPMF que está sendo transmitida em todos os canais de comunicação nos últimos dias.

CPMF é um imposto incidente sobre toda e qualquer movimentação financeira, salvo algumas exceções. Inicialmente sob a sigla IPMF, a taxa dita provisória (nunca vi algo provisório durar tanto tempo!) já dura 11 anos entre idas e vindas, pois sempre se acha uma maneira de prorrogar sua vigência, como tentam fazer atualmente, desta vez para até 2011. Sua alíquota atual está em 0,038% e a arrecadação anual é de cerca de 40 bilhões de reais. Dizem que isso é mais do que se arrecada com arroz e feijão.

A discussão hoje gira em torno de prorrogar ou acabar com o imposto. Tenho lido e ouvido vários comentários defendendo ambos os lados. Vamos analisar alguns pontos positivos. A alíquota cobrada é relativamente baixa, qualquer pessoa pode arcar com essa “contribuição”. Mesmo para quem movimenta milhões, a proporção é aceitável. A forma de cobrança é extremamente simples, não havendo necessidade de preenchimento de guias nem de fiscalização para se comprovar o pagamento do tributo. O direcionamento da arrecadação é louvável: saúde pública, previdência social e erradicação da pobreza. Até aí tudo bem.

O que muda o curso do raciocínio é conhecer o país onde vivemos. Os países ricos possuem uma carga tributária de aproximadamente 38% do PIB. Os países em desenvolvimento, 27%. A do Brasil gira em torno de 34,7%, ou seja, está muito desproporcional à posição que ocupamos em termos de desenvolvimento. Com tamanha carga deveríamos ter condições de vida infinitamente melhores do que é a nossa realidade.

A antiga pergunta que continua não querendo calar é: para onde vai todo o dinheiro arrecadado no Brasil? Para onde vão os 40 bilhões de reais anuais da CPMF? Se você quiser saber para onde NÃO vai toda essa grana, basta visitar um hospital público. Todos os dias muitas pessoas morrem devido às péssimas condições de atendimento em todos os âmbitos. Conheço uma pessoa que precisa colocar pontes de safena e, há mais de um ano, não consegue uma vaga para marcar sua cirurgia no SUS, mesmo que seu problema esteja mais que comprovado e que ele esteja a correr risco de morte. Ainda que sejamos obrigados a contribuir com saúde pública, se quisermos um pouco mais de segurança é preciso pagar caro por um plano de saúde particular.

Como vive a maioria dos aposentados em todo o país? Com um salário de fome que mal dá para pagar seus remédios. A previdência social é uma vergonha, está em colapso e eu não tenho nenhuma esperança de conseguir me aposentar um dia. O jeito é aderir a programa de previdência privada ou fazer algum outro investimento a longo prazo para garantir o sustento na velhice, mesmo pagando para ter direito a se aposentar.

E quanto à pobreza? Não é preciso fazer muito esforço para encontrar famílias que não têm o que comer em casa. Vemos isso na TV todos os dias e também nas ruas por onde andamos. A pobreza está bem perto de nós. O que é feito por essa gente? 21% da arrecadação com a CPMF deveriam ser investidos nessa área, ou seja, 8 bilhões e 400 millhões de reais por ano. Se isso realmente acontecesse o quadro de pobreza do nosso país seria outro.

A CPMF em si não me incomoda. Não movimento altas quantias nem sonego imposto para temê-la. Sua finalidade e formato geral são excelentes. Se todo tributo fosse cobrado com é a CPMF, de forma a não onerar tão cruelmente o contribuinte e sua utilização visasse realmente as necessidades do povo, tudo seria bem mais fácil e aceitável. Se isso fosse uma realidade, nossa carga tributária seria menor e nossas condições de vida bem melhores. No entanto, me incomoda profundamente sustentar político vagabundo que se elege para enriquecer à custa do trabalhador. Infelizmente, essa é a realidade do nosso Brasil e isso é o que me faz ser totalmente descrente nele. Isso é o que me torna contra a CPMF.

Este mundo tenebroso...

Algumas vezes sinto uma vontade imensa de poder mudar de mundo, para nunca mais voltar. Arghhhh!
Pensando bem eu posso, mas não agora. Isso não depende exclusivamente de mim, o que estava ao meu alcance para adquirir o direito de ir eu já fiz, falta Ele dar o sinal verde. Tudo será tão melhor longe deste lugar...

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Triste

Damaris era uma antiga amiga da época de adolescência. Morávamos no mesmo bairro e, por algum tempo, freqüentamos a mesma igreja. O tempo passou e nos afastamos bastante, naturalmente. Ela se casou, mudou para um bairro distante e então deixamos de nos ver com freqüência, aliás, nos víamos esporadicamente. Mas quando nos encontrávamos era sempre uma festa, ela era muito alegre e extrovertida.

Damaris era jovem, acho que cerca de dois anos mais velha que eu. Casou com um antigo namorado meu, hehe, e viviam muito bem. Tiveram duas filhas lindas e inteligentes. Certo dia eu soube que ela estava com câncer de mama. Foi um susto muito grande para todos. Então começou sua luta contra aquela doença terrível. Operou uma vez, submeteu-se ao doloroso tratamento de quimioterapia e radioterapia, teve depressão profunda. Dias negros ela viveu, mas soubemos que o problema tinha sido vencido. Superou a depressão. Foi aí que veio a segunda filha e recebeu o nome de Vitória.

Alguns anos se passaram e ela teve que operar de novo, a doença traiçoeira voltou com tudo. Depois dessa última cirurgia ela esteve em constante tratamento e a depressão voltou a atormentá-la também. A tristeza de se ver deixando suas duas filhas ainda crianças e seu marido tão jovem era demais para ela. Seu sofrimento era grande, mas ela tinha esperança de superar a doença definitivamente. Lembro da última vez que a visitei. Ela ainda conseguia sorrir palidamente, cabecinha sem um fio de cabelo.

Ontem Damaris se foi. Livrou-se de vez do maldito câncer. Descansou. O que nos conforta é a certeza de que agora ela está sã, curada e alegre nos braços do nosso Pai, desfrutando de uma vida muito melhor. Que Ele dê forças à sua família e aos seus amigos para suportarem a ausência e a saudade.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Meu sobrinho-neto


Vocês devem se lembrar que eu falei aqui sobre o nascimento do meu terceiro sobrinho-neto, o Yan. Pois é, ele é esse fofo que está na foto aí em cima. Está com quatro meses e um dente, hehe. Ele vem passar o natal e o ano novo conosco. Acho que vai voltar para casa cheio de marcas de mordida. Que fofo, gente!

Meus olhos


Algumas coisas realmente são impossíveis de remediar, simplesmente não há como mudar de jeito nenhum. E por mais que nos incomodem, temos que nos acostumar com elas. Para o resto da vida.

Meus olhos são extremamente problemáticos. Desde criança, uns oito anos, uso óculos. Comecei com 2,5 graus e estacionei em 4,25 há uns 3 anos. No entanto, sempre odiei os tais óculos, não importa o quão modernos e elegantes sejam, eu os detesto. Na adolescência eu teimava em não usá-los, ainda que fosse preciso fazer um tremendo esforço para conseguir enxergar alguma coisa. Ficava apertando os olhos até quase fechá-los a fim de alcançar nitidez. Na época da escola, por várias vezes peguei ônibus errado por confundir a bandeira, hahaha, e mesmo assim não colocava os benditos na cara. Mas chegou um momento que não houve jeito, não conseguia mais ler sem eles, mesmo me esforçando. Então comecei a trabalhar e tive que assumi-los. Por um tempo me conformei, mas como isso mexia fundo com a minha vaidade, comecei a pensar em resolver o problema dos óculos de forma definitiva.

Tenho hipermetropia, astigmatismo, pterígio e uma alergia crônica nas vistas. Só isso.

A hipermetropia consiste num erro de focalização da imagem do olho para visualizar curtas distâncias. O hipermétrope não consegue ter nitidez porque a imagem é formada após a retina e não sobre ela, como num olho normal. Isso ocorre em pessoas que têm o globo ocular reduzido.

O astigmatismo também proporciona problemas com o foco, só que para ver de longe. Isso se deve à córnea que tem uma curvatura muito acentuada, meio oval, diferente da curvatura normal que seria como uma bola de ping pong.

O pterígio me causa muitos problemas. Trata-se de um tecido que cresce próximo ou sobre a córnea, na parte interna do olho. Ele pode ficar pequeno como os meus (tenho nas duas vistas) ou pode crescer e interferir na visão. As causas não são conhecidas, cogita-se que pessoas que passam muito tempo expostas à luz solar ou em ambientes secos e empoeirados podem desenvolver o problema, mas isso não está comprovado.

Com a alergia eu convivo desde a infância e a tenho dos mais diversos tipos. De forma crônica ela me atinge nos olhos, ouvidos e nariz, causando muita coceira, ardência e um tremendo desconforto em todas essas regiões.

Depois de descrever os problemas que assolam meus pobres olhos, voltemos à minha intenção de solucionar o insolúvel. Entrei no consultório do Dr. Konstantin e disse que queria ser operada. Nunca fui corajosa com essas coisas de hospital, injeções, cirurgias. Mas tamanha era a vontade de me ver livre dos óculos que eu até sujeitaria a encarar os meus medos.

Depois de me examinar minuciosamente, o médico me disse que eu não poderia fazer a cirurgia corretiva da hipermetropia por causa da curvatura da córnea causada pelo astigmatismo. A cirurgia deixaria a córnea ainda mais curvada e eu teria triplos problemas de desfoco, em vez de duplos como já tenho. O pterígio também não poderia ser removido, pois em 95% dos casos ele volta e em um estágio mais avançado, especialmente em pessoas jovens como eu. Talvez eu até pudesse corrigir o astigmatismo com cirurgia a laser, mas dos males ele é o menor, não me pouparia dos óculos. A opção paliativa que ele me deu, foi trocá-los por lentes de contato. Não me curariam como eu desejava, mas pelo menos me deixariam mais apresentável.

Inconformada com meu fardo, mas alegre por finalmente me livrar dos óculos, fiz o teste e encomendei as lentes. Foi estranho no início, mas o médico me falou que com tempo eu acostumaria com elas. A verdade é que nunca me acostumei. O fato de ter pterígios e alergia torna o uso das lentes muito desconfortável e por vezes tenho que tirá-las e, vejam só, colocar os óculos, que incomodam muito menos.

Com isso aprendi que nunca vou me livrar deles. Estou até pensando em encomendar um modelinho moderno e elegante, hehe.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Recomendo

Depois de dias bem corridos e sem tempo para postar, aos poucos volto a atualizar este blog.

O que me faz escrever hoje é o término da leitura de um romance policial muito legal escrito pela minha amiga Geórgia. Trata-se de um livro on-line que ela lançou semanas atrás em seu blog. Não poderia deixar de mencionar aqui sobre os momentos gostosos que passei lendo “Marcado pelo passado”.

O livro conta uma história de amor permeada por ambição, mortes, intrigas e traições. A Geórgia tem muita imaginação e descreve lindamente os cenários e as personagens levando-nos a uma viagem fascinante e curiosa. Ela me prendeu do início ao fim. Para quem gosta de romance, eu o recomendo.

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Um tempinho para escrever

Depois de tantos dias sem aparecer por aqui, arrumei um tempinho para contar sobre o fim de semana.
Nil recebeu uns convites de uma empresa onde ele trabalhou para participarmos da confraternização de fim de ano com eles. O evento aconteceu num sítio na Barra do Jucu, lugar muito bonito e cheio de diversões. Não passamos o dia todo, mas tivemos tempo suficiente para clicar belas paisagens e para o Nil rever seus antigos colegas. Tem muitas fotos aqui!

Foi um dia muito agradável, queremos voltar ao sítio com mais tempo para aproveitar melhor o espaço.



Fiquei babando nas belas parasitas, trouxe essa de lebrança.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Bye, bye... :-(

Nossa despedida ontem à noite

É notável a alegria estampada no rosto do Aldo. Além de galgar mais um degrau em sua carreira profissional, ele está voltando para perto de sua família, especialmente de sua mãe, de quem ele falava com tanto carinho.

Não é de se espantar que ele tenha nos conquistado com seu jeito discreto e calmo. No início ele falava pouco para não denunciar o sotaque paranaense acentuado, em meio a tantos capixabas que o olhavam curiosos querendo saber de sua terra natal. Mas depois, "Aldoritos", apelido atribuído ao fato de ele gostar muito do chips "Doritos", se acostumou com o novo habitat e até nos contou que sua família estava achando que ele tinha absorvido um pouco do sotaque capixaba. Imagina se capixaba tem sotaque...

Bem-humorado, muitas vezes fazíamos sinal com o dedo no canto da boca sinalizando para que ele limpasse o veneno, hehe, denunciando uma forma muito particular de satirizar e ridicularizar tudo e todos dentro do nosso grupo. Durante os anos de faculdade tornamo-nos um time, ou melhor, um quarteto, o quarteto fantástico: Aldo Ana, eu e Lygia. Essa era a nossa galerinha, tanto para os momentos de diversão e conversas sem fim, como para os trabalhos e pesquisas.

Dividimos muitos lanches, muitas idéias e muitas gargalhadas. Pena que não dividiremos o auditório para a colação de grau. Hoje Aldo está nos deixando e voltando para sua terra, antes mesmo de terminarmos o curso. O coração tenta sufocar o soluço e já lateja de saudade e de inconformidade com a ausência que já e faz tão presente. Vai ser difícil não tê-lo sentado na cadeira ao lado. E eu que amo música, só posso terminar oferecendo a ele uma canção. Um grande beijo, amigo. Deus te abençoe!
"Amigo é coisa para se guardar
Debaixo de sete chaves,
Dentro do coração,
Assim falava a canção que na América ouvi,
Mas quem cantava chorou ao ver o seu amigo partir,
Mas quem ficou, no pensamento voou,
Com seu canto que o outro lembrou
E quem voou no pensamento ficou,
Uma lembrança que o outro cantou.
Amigo é coisa para se guardar
No lado esquerdo do peito,
Mesmo que o tempo e a distância digam não,
Mesmo esquecendo a canção.
O que importa é ouvir a voz que vem do coração.
Pois seja o que vier, Venha o que vier
Qualquer dia amigo eu volto a te encontrar
Qualquer dia amigo, a gente vai se encontrar."
Fernando Brant e Milton Nascimento

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

1, 2, 3, 4, 5, 6, 7... ...

Não tem nada mais irritante do que atendimento digital em callcenters... "disque 1 para isso, disque 2 para aquilo, desculpe, mas nossos atendentes estão todos ocupados, ligue mais tarde". ARGHHHHHHHHHHH!!!

terça-feira, 30 de outubro de 2007

Dia das CRIONÇAS...!

Em outubro sempre se comemora o dia das crianças, isso todo mundo sabe, não é novidade para ninguém. Mas, e as crianças crescidas? Aquelas que passaram da idade, mas mantém o bom humor, a vivacidade e peraltices infantis? Também somos crianças, ou melhor, CRIONÇAS! Esse foi o tema da festa à fantasia que aconteceu na sexta-feira passada, mas só agora tive um tempinho para postar. Comemoração pelo Dia das Crionças. Só podiam participar pessoas acima de dezesseis anos e com fantasias que caracterizassem um personagem infantil. Gente, o pessoal arrasou! Vejam só as fotos.

Fada e Pinóquio, Quico e Pinóqui, Banca de Neve, Minie, Maria (da história "João e Maria" e Fada, Branca de Neve, Rapunzel, Pinóquio e... não lembro que é a última heronína :(


Emília, Dom Juan, Minie, Rapunzel, Coelha da pascoa, Super... o que mesmo, Chapolin, Branca de Neve, Pernalonga e um Palhaço

Compareceram algumas Minies, Brancas de Neve, Princesas Encantadas como a Rapunzel, Emília do Sítio, Chapeuzinhos Vermelhos e até as Super-Poderosas! O Penalonga, Chapolin Colorado, alguns Palhaços, o Batman e outros super-heróis meio que anônimos, mas tudo bem. Até Dom Juan de Marco nos deu o ar de sua graça encantando as donzelas da festa e oferecendo uma rosa. Eu e Nil estávamos lá de Pinóquio e “Fada Rosa”. Minha intenção era ser fiel ao conto e ir de “Fada Azul” que é a personagem da história, mas como a fantasia que encontrei era curtíssima e decotadíssima, eu seria uma fada muito ordinária, então não tive opção.

Foi realmente muito divertido. Xuxa esteve presente animando a galera com suas músicas e brincadeiras e mais tarde o DJ comandou a festa. Toda decoração, músicas e guloseimas foram inspiradas no gosto infantil. Tinha balas, doces diversos, algodão doce (há quanto tempo eu não comia isso, hehe!), salgados e refrigerantes também. Nada de álcool, pois crionças não bebem. Galera animada essa! Já estou ansiosa pela próxima festa! Gostaram?

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Sem tempo para escrever

Muita correria no trabalho e na faculdade. Fim de ano, fechamento de processos na empresa e programação para o ano seguinte, além da conclusão da faculdade que está dando dor de cabeça. Daqui uns dias eu volto. Bye!

sábado, 13 de outubro de 2007

Momento "Eu"

Brincando com a câmera.

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Ah, essas bolsas...

Navegando pela blogosfera, encontrei uns sites que vendem bolsas artesanais... Gente, fiquei louca! Uma graça os modelos, cheios de estilo e com estampas maravilhosas. Já tratei de enviar e-mail solicitando os preços. Se quiserem conferir, os sites são estes: Lu De Mari e La Reina Madre.

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

5 anos



Lembro como se tivesse acontecido ontem. A correria dos últimos preparativos, o nervosismo que tomou conta de mim durante todo o dia, os imprevistos, o frio na barriga, os lírios, as rosas, meu vestido branco com bordado prata... No dia 28/09/2002 eu me casava! Que dia sonhado! Que dia esperado!

Durante onze anos levei a Deus meus anseios sobre esse dia e, quando ele finalmente chegou, eu o recebi como um presente dos céus. Para mim, o casamento sempre representou um dos passos mais importante que uma pessoa pode dar, e que deve ter como base a vontade de Deus e a Sua bênção para que possa dar certo.

Quando conheci o Nil, cerca de dois anos antes de nos casarmos, pensei que não fosse ele ainda, o eleito do meu coração. Éramos muito diferentes no que diz respeito à personalidade e ele nada tinha a ver com o padrão de homens que me atraía. Mas era ele. Aos poucos fui percebendo que aquele homem simples e direto, tranqüilo e sincero (muito sincero!), me completava de uma forma que jamais alguém conseguiu, então fui deixando o amor florescer e as diferenças passaram a ser meros detalhes. “... porque o Senhor não vê como vê o homem. Pois, o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor vê o coração”. I Samuel 16:7. Esse versículo tinha me guiado durante anos na busca por um companheiro e, no momento certo, me fez ver, com os olhos de Deus, que esse companheiro estava diante de mim. Com um ano de namoro ficamos noivos e em nove meses nos casamos.

Só posso dizer que é maravilhoso ser casada. Maravilhoso! É claro que há dificuldades, palavras atravessadas, diferenças a serem compreendidas, e ceder passa a ser a palavra-chave para uma boa convivência, o que não é nem um pouco fácil. Mas quando estamos ao lado de alguém especial, tudo fica menos difícil. Não existe a guerra dos sexos, a típica competição entre homem e mulher, mas sim, o querer fazer um ao outro feliz, o desejo de estar sempre junto, de compartilhar tudo o que acontece de bom e de ruim, de planejar, de realizar.

Que Deus nos proporcione a graça de comemorarmos esta data muitas e muitas vezes, até a velhice, e que vivamos cada dia mais intensamente este nosso amor que é reflexo do grande e infinito amor que Ele tem por nós.

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Mais um fim de semana em Guarapari


Eu realmente gosto de Guarapari. A cidade tem as praias mais bonitas do litoral capixaba. Frias sim, mas lindas! Passei o último fim de semana com a galerinha da igreja nas praias de Santa Mônica e Setiba, a minha preferida.
O passeio foi bem legal, ficamos numa casa bacaninha, com comida maravilhosa que a dona Vera preparou e a diversão foi garantida com jogos, filmes, banho de mar e lual, além de momentos reservados para reflexões bíblicas. Tem mais fotos no flickr, veja.

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Mais uma receitinha

Faz tempo que eu não posto no Livro de Receitas, não por ter parado de cozinhar, isso é meio difícil de acontecer, mas por preguiça de escrever mesmo. Hoje resolvi colocar lá uma receitinha de caldo verde que preparei outro dia, um sábado frio e chuvoso, quando Nil e eu resolvemos ficar em casa. Preparei o caldo, alugamos um filme e ficamos lá, curtindo o friozinho enquanto a chuva fina que caía lá fora... Copie a receita aqui.

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

A música e eu

Nunca comentei aqui sobre como sou apaixonada por música. Quando ainda era criança na igreja, tinhas uns cinco anos, fui motivada a começar a cantar. A moça que apresentava as programações de jovens, uma antiga amiga, me convidava para ir à frente e cantar uma musiquinha, dessas infantis que se aprende na classe de crianças. Eu não queria ir, ficava tímida, então ela me levava pela mão e me sentava em seu colo e lá eu cantava bem baixinho.

Aos poucos o volume da voz foi aumentando e eu fui saindo do colo, ficava somente de mãos dadas com ela enquanto cantava. Depois fui soltando a mão e perdendo um pouco da timidez até ter firmeza para ficar sozinha durante a apresentação.

Aos seis anos eu comecei a ter aulas de piano. Eu gostava muito e aprendia rápido. As aulas duraram três anos e meus pais não insistiram pra eu permanecer quando quis desistir aos nove anos.

Eu continuei a cantar até a adolescência e depois parei. Quando se é adolescente tudo é um grande mico e, como os solos faziam parte da minha infância, acredito que eu queria mostrar que estava crescendo, por isso não gostava mais de cantar, pelo menos sozinha. Mas continuava participando de grupos musicais, corais, fazendo aulas de canto e musicalização.

Bem mais tarde voltei a arriscar em minhas apresentações solo e recuperei o gosto por cantar. Nos últimos anos provei um desenvolvimento notável em minha música e fui convidada a participar da gravação de um CD de música gospel. Isso foi muito importante para mim, apesar de eu não considerar a possibilidade de seguir carreira (hehe), considero a experiência como um curso intensivo de canto.

Na verdade, a música nunca deixou de ser importante para mim. Só passei por fases em que ela variava no grau de importância. O piano é algo que ainda quero recuperar assim que possível, nunca vou entender o fato de meus pais não atentarem para o meu potencial e não terem insistido para eu continuar com as aulas. Para mim, não há som além da voz que seja tão lindo como o de um piano.

Se podemos dizer que há mágica neste mundo, essa mágica é a música. É difícil entender como é possível com apenas sete notas (e suas variações) e alguns compassos, ser criada tamanha diversidade de músicas em todo mundo no decorrer da história. A canção é a expressão mais sublime dos sentimentos, e, para mim, se torna a expressão mais sublime da devoção, amor e adoração a Deus, pois a música vem do próprio Deus. Não há momento em que me sinto mais perto dele como quando canto.

Quanto às minhas preferências, gosto de músicas alegres, com ritmo acelerado, mas prefiro as que tocam a alma. Canto sempre, em casa, em eventos, na igreja, praticamente todos os domingo, mas procuro também ouvir somente e absorver tudo que a canção tem a oferecer, desde acordes às letras. Esta é a minha relação de amor com a música.

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Que país é esse?

A absolvição do senador Renan Calheiros pelo senado só nos dá a certeza de que o Brasil está mesmo perdido. Estamos todos fadados a assistir tantas outras histórias como essa e ver tudo acabar num grande rodízio de pizza, com direito a dança e tudo.

Esta história de que o povo tem que aprender a votar, que a situação está assim porque votam errado, blá, blá, blá, é pura conversa fiada. Parece-me que só o pior tipo de gente se elege, ou se não, transformam-se após a posse. Não há quem escolher, não há boas opções. Para mim, essa democracia tão enaltecida e apregoada se transformou num mero recurso em favor dos próprios políticos, para colocarem a culpa de seus atos nos cidadãos. Como sempre, é o povo que leva a pior, até mesmo a culpa por ser roubado, humilhado, ridicularizado, feito de palhaço. O direito do povo de escolher seus representantes, o que deveria ser uma vitória, acaba por ser sua derrota. Agora me responde, ESCOLHER QUEM???

Por que o digníssimo senador foi absolvido se está mais do que provada a sua culpa? Eu lhes respondo: porque de gente como ele, o senado e todo o cenário político está cheio, basta dar uma chacoalhadazinha e lá está o podre. Imaginem a quantidade de podres que ele traria à tona se os colegas o prejudicassem.

Ainda consigo ficar indignada por viver num país onde o povo assiste os seus representantes roubar-lhes até a alegria do patriotismo. Se eu tivesse um nariz de palhaço aqui, o colocaria agora mesmo.
Veja as matérias na íntegra: absolvição e pós-absolvição.

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

Como foi o feriadão

Como o 07 de setembro caiu na sexta-feira, aproveitamos o fim de semana prolongado para sairmos da rotina um pouquinho. Nil e eu já precisávamos fazer isso há algum tempo, então combinamos com uns amigos, alugamos um apartamento de temporada e fomos passar 3 dias na Praia do Morro, em Guarapari, cidade próxima de Vila Velha cerca de 40 km.

Foram dias perfeitos. Aqui em Vila Velha e Vitória (cidades onde moro e trabalho, respectivamente) o tempo esteve horroroso desde o início da semana até na quinta-feira, conforme mostrei no último post, mas exatamente a partir de sexta, o tempo se abriu e curtimos lindos dias de sol em nosso passeio.

Fomos abençoados pelo convívio com os amigos que nos acompanharam nesses dias. Giva e a Érica, um casal maravilhoso com quem temos iniciado uma bela amizade (Nil e ele já são amigos de longa data e andaram meio distantes nos últimos anos, mas agora estão se aproximando de novo), o Willian, também amigo do Nil há muitos anos e a Claudia que já vimos algumas vezes e que pudemos conhecer melhor durante esses dias.

A temporada foi regada com bastante bate-papo, algumas partidas de Dominó e Uno, momentos de leitura e devocional, e muita, muita praia. Guarapari é uma delícia, possui as melhores praias da região sul do Espírito Santo. A Praia do Morro foi eleita para nos hospedarmos e freqüentarmos durante o dia. É uma praia urbanizada, com calçadão, quiosques e muito comércio ao redor. À noite passamos pela Praia da Areia Preta e pela Praia das Castanheiras. Também demos um giro pelos shoppings (que são bem pequenos) e por feirinhas de rua bem movimentadas. Não posso deixar de citar a visita à Expo Mar, uma exposição de várias espécies submarinas interessantes, até tubarão havia num dos grandes aquários. Muito legal!

A comida é um capítulo à parte. Durante o dia preferimos almoçar em restaurante para termos o dia mais livre para a diversão, então optamos pelo Cantinho da Roça, onde almoçamos todos os dias. À noite preparamos a comida no apartamento mesmo. Na sexta rolou um super churrasco (que os meninos prepararam) com arroz e vinagrete (que as meninas prepararam). No sábado compramos um Dourado e camarões e o Willian preparou uma moqueca deliciosa enquanto eu fiz o arroz e, junto com a Cláudia, fritamos alguns pedaços de peixe para a entrada. Tudo de bom!

A volta no domingo à tarde foi tranqüila, sob as mãos abençoadoras de Deus, que esteve conosco durante todos esses dias. Só nos atrasamos um pouco na saída e pegamos engarrafamento na Rodovia do Sol, o que atrapalhou nossos planos de irmos à igreja à noite. Agora, de volta à rotina, fico aguardando ansiosa a próxima aventura. Além das fotos aí em cima, tem mais aqui.

E o seu feriadão, como foi?

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Hoje foi assim

O dia começou assim, céu azul com poucas nuvens que, aos poucos foram aumentanto...

Não demorou muito para a chuva começar fininha aumentanto gradativamente...


De repente, um quase dilúvio...

Mas no decorrer do dia foi parando de chover e o sol reapareceu...

E o dia terminou com sol e céu azul, apesar de algumas nuvens teimosas insistirem de aparecer céu afora!

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Hora do Lanche


Vale a pena parar tudo pra fazer um lanchinho, né...

segunda-feira, 27 de agosto de 2007

Fim de semana lindo!


Praia da Costa, Vila Velha/ES, vista do Morro do Moreno

Fim de semana cansativo foi esse. Corrido demais, cheio de afazeres e regado por uma boa dose de dor nos pés. Mas cheio de grandes aprendizados e lindo! Depois de dias nublados, frios e cinzentos, o céu se abriu, azul como nunca, e o sol sorriu para nós. Que delícia! Hoje, maravilhosos 28º. Que venham muitos outros dias assim. Esse nosso inverno... Vai entender.

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Histórias de quem anda de ônibus

Acontecem coisas inacreditáveis nos ônibus, quem utiliza transporte coletivo sabe bem do que estou falando. Eu detesto pegar ônibus e sonho com o dia em isso será uma mera lembrança na minha vida, mas de vez em quando tenho que admitir ser até divertido.

Outro dia saí do trabalho, peguei o dito cujo e fui para a faculdade. No meio do caminho entra um sujeito com um violão na mão, se espreme entre os passageiros (carro lotado), vai lá para frente e, muito bem-humorado, se apresenta como Roger Cantor.

Faz algumas piadas, o povo começa a rir e a se interessar pela figura mais que irreverente. Então ele começa a interpretar uma de suas canções (composta por ele mesmo!) ao som do seu violão. É simplesmente hilário, hahaha! A voz dele é muito engraçada, a música romântica num estilo meio sertanejo é mais engraçada ainda e, na hora do intervalo instrumental, ele diz: “Roger cantor, música nos coletivos!” naquele tom de locutor de rádio.

Olha, eu não agüentava mais de tanto rir. No final algumas pessoas contribuíram com uns trocados e ele divulgou sua comunidade no orkut. O cantor de ônibus tem uma comunidade! Aí é que eu ri mesmo!

Se você quiser conferir que essa figura não é fruto da minha imaginação, aqui está o Fã Clube – Roger e seu violão . Hahaha!

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

De mudança

Na empresa onde trabalho, estamos de mudança para outro escritório. Já, há algum tempo, começamos a perceber que precisávamos dar esse passo. Hoje, o espaço disponível e sua estrutura já não nos comportam mais, e temos projetos e perspectivas que, quando se tornarem realidade, realmente precisaremos de um lugar maior.

Enfim, detectado o problema e cientes do que precisávamos para solucioná-lo, saímos em busca do lugar ideal. Basicamente, esse novo lugar deveria ter uma localização melhor (atualmente estamos na Mata da Praia, ou seja, um lugar bom mas muito longe de tudo), ter determinado tamanho, oferecer um nível de mais elevado em termos de segurança e tecnologia e, claro, estar dentro das expectativas de valor a que estávamos dispostos a pagar.

Foram meses de busca até encontrarmos a tal sala e, então, mãos à obra para preparar a mudança. Mudar requer um trabalho danado. Não é só juntarmos as coisas de um lugar e colocarmos em outro. E por se tratar de uma empresa, tem todo o trâmite de alteração nas documentações e órgãos públicos, prazos para isso e para aquilo, reformas e adaptações da nova sala, entrega da velha (que também envolve certa burocracia), contratações de vários tipos de serviço de apoio, detalhes que nem imaginamos e que na hora aparecem. Até que tudo fique em ordem, a situação é trabalhosa e desafiadora. E inclua neste pacote o adaptar-se à nova situação. Isso, as vezes, é quase cruel.

É interessante pensar nas mudanças como uma transformação de vida. Sempre precisamos delas, as coisas nunca estão 100% corretas que não precisemos melhorar. Mas para isso é necessário detectar O QUE precisa ser mudado e COMO mudar e aí precisamos nos dispor, o que é mais difícil. Mudanças realmente não são fáceis. Ficamos tão acostumados com a situação atual que, mesmo que ela nos cause desconforto, parece muito mais desconfortável e difícil transformá-la.

Outro dia refleti muito sobre isso e percebi o quanto preciso mudar. O tempo passa e o dia a dia nos transforma em pessoas que na verdade não gostaríamos de ser. É tão fácil reclamar de tudo, mas é tão difícil agüentar calada a algum desagrado. É tão fácil mentir ou omitir, mesmo as ditas “mentirinhas sem importância”, quando a sinceridade é sempre a melhor opção. É tão fácil colocar TUDO em primeiro lugar e o Reino de Deus em último quando, como cristãos autênticos que dizemos ser, deveríamos agir exatamente ao contrário. É tão fácil esbravejar num momento de raiva quando deveríamos ao menos tentar manter a calma. É tão mais fácil sermos mascarados do que transparentes.

Todas essas coisas afetam nosso crescimento da mesma forma que os problemas estruturais afetaram a empresa. Cabe-nos querer mudar, procurar o melhor ambiente e colocarmos a mão na massa para que a mudança aconteça de fato. Assim abrimos espaço para que os projetos de Deus tomem forma em nossa vida.

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Volta às aulas

Ontem retornei às aulas. O mês de férias parece que alçou vôo, nem vi passar, e agora estou de volta à faculdade. Rever os amigos é legal (se bem que a maioria faltou no primeiro dia, é sempre assim), conhecer novos professores, aprender um pouquinho mais. Mas devo confessar que estou contando os dias para o curso terminar.

É muito cansativo trabalhar o dia todo e estudar à noite, especialmente quando se tem marido e casa para tomar conta. E ainda tem os meus professores que adoram nos encher de trabalhos extraclasse e aí vão-se embora também os fins de semana. Mas tudo isso está com os dias contados. A formatura que me aguarde neste fim de ano.

Sempre gostei muito de estudar e sempre fui ótima aluna, aplicada e dedicada. Mas hoje é difícil me dedicar tanto. Não é como antigamente quando eu não tinha nada para me preocupar, hoje a cabeça vive cheia, são tantas responsabilidades e o tempo é cada vez mais escasso. Há dois semestres comecei um curso de inglês aos sábados, mas não consegui dar conta, tive que interromper por falta de tempo para me dedicar. Mas tudo bem, daqui a alguns meses eu volto.

E assim a gente vai levando. O que não dá é parar de estudar e se atualizar, esse é o preço que pagamos por tentar acompanhar um mundo globalizado.

sábado, 28 de julho de 2007

Nasceu!!!

O Yan, meu 10º sobrinho (3º sobrinho-neto), sobre quem eu já havia comentado por aqui, acabou de chegar! Nasceu na noite de ontem. Graças a Deus, o parto foi tranqüilo e minha sobrinha e o filho passam bem. Minha irmã está lá em Belo Horizonte, já paparicando o primeiro neto e cuidando da Lucianne. Um beijo à nova familha, que Deus os abençôe!

sexta-feira, 27 de julho de 2007

Brasileiro, eta povo sem educação!

Ontem eu estava assistindo ao noticiário à noite quando a repórter estava dando as notícias do Pan. Entre as muitas boas novas sobre o desempenho dos atletas brasileiros nos jogos (ultrapassamos Cuba no quadro de medalhas!!!) estava a notícia infeliz da torcida brasileira contra os atletas estrangeiros.

A intensidade das vaias está ocorrendo de maneira a atrapalhar a concentração dos participantes e comprometer o resultado das provas! Nas competições de corrida, por exemplo, os atletas não conseguem sequer ouvir o tiro de largada e iniciam sem saber se a prova está valendo.

Um absurdo isso. Em vez de receber bem os visitantes, tratá-los com carinho e respeito e deixar neles uma boa impressão do nosso país, o povo brasileiro faz um papelão desses. Claro que não se trata de todos os torcedores, mas, infelizmente da maioria. Quanta falta de educação! Sem falar nos furtos que andam ocorrendo na Vila Pan-americana praticados pelos próprios funcionários e voluntários. Lamentável isso. E depois o país quer sediar as olimpíadas. Eu realmente queria saber como.

Update: 29/07/07, 14:18hs. O segundo lugar no quadro de medalhas não durou nem 24 horas :(

quarta-feira, 25 de julho de 2007

Tolerância quase zero

Não quero parecer antipática, isso eu não sou mesmo, me acho até muito simpática. Mas tem situações em que só não sou grossa por educação e por desejar ardentemente ser agradável com as pessoas. Mas que dá vontade de dizer o que vem à ponta língua, isso dá.

Tem gente que pergunta coisas que eu não acredito que tiveram coragem de perguntar. Não estou falando de situações corriqueiras do cotidiano como uma conversa informal, estou me referindo a situações sérias, como quando precisamos de gente que nos ajude a resolver problemas, por exemplo, mas que não conseguem pensar por si mesmas em relação a detalhes.

Lembram daquele quadro do programa Zorra Total da Rede Globo (um dos piores humorísticos da TV brasileira, diga-se de passagem) o Tolerância Zero? Pois é, dá vontade de fazer como o Saraiva, sincero como ele só. Eu e o Nil costumamos brincar de tolerância zero, quando um dá um vacilo o outro pega no pé com respostas bem intolerantes, mas é pura brincadeira, pra extravasar mesmo e rir um pouco.

Porém, no dia a dia, as regras da boa convivência nos obrigam a engolir a indignação e responder educadamente aos questionamentos inúteis e enfadonhos a que uns e outros nos submetem ou simplesmente, ignorá-los. Não cabe contar os “causos” que me motivaram a escrever isso, só vou mesmo deixar o desabafo.

terça-feira, 24 de julho de 2007

Desanimada...

Ando meio desanimada de escrever. Tem várias coisas que eu gostaria de compartilhar aqui, mas estou sem inspiração nenhuma ultimamente. Vamos dar um tempo pra ver se ela chega...

quarta-feira, 18 de julho de 2007

Que tragédia!

Foto retirada da Folha Online sobre acidente do vôo 3054 da Tam, ocorrido ontem

Só nos resta lamentar profundamente esta fatalidade...

quinta-feira, 12 de julho de 2007

Um dia com cara de inverno

Vista de Vitória e Vila Velha ligadas pela Terceira Ponte; fotografia tirada do Parque Estadual da Fonte Grande

A temperatura caiu um pouquinho e o dia hoje está totalmente cinzento. Será que finalmente o inverno chegou? Apesar de a estação mais fria do ano ter-se iniciado oficialmente há 21 dias, chegamos a ter temperaturas em 30º, tempo aberto, céu azul e nada de chuva por aqui nesse período. Tempo perfeito! Mas como não poderia durar...

terça-feira, 10 de julho de 2007

Outra notícia triste

Mais uma vez recebemos uma notícia desagradável. Faleceu ontem o pai de um amigo. Era um senhor não muito idoso, mas com sérios problemas de coração e ontem teve um ataque fulminante. Chegamos do trabalho e lá fomos nós para outro velório (que coisa, dois velórios seguidos!). A família estava muito triste, mas até bastante controlada. Só pedimos a Deus que continue consolando todos eles nesse momento difícil.

segunda-feira, 9 de julho de 2007

Notícia triste

Ontem Nil e eu soubemos de uma notícia muito triste. Um amigo do Nil, jovem, alegre, bonito, simpático sofreu um acidente de trânsito e veio a falecer. Depois que saímos do culto em nossa igreja fomos à casa da família onde o corpo era velado.

Tive uma sensação tão estranha ao ver aquele rapaz no caixão! Ele e eu não éramos íntimos, nem mesmo amigos de ocasião, o Nil é que tivera um convívio maior com ele há alguns anos atrás durante muito tempo, mas nos últimos anos houve certo distanciamento. Fiquei olhando para ele, inerte dentro do caixão, e me perguntando: “Como terão sido os últimos instantes de sua vida? Será que ele teve um momento de lucidez antes de ir? No que teria pensado? Será que teve consciência de que estava partindo?” Fiquei muito triste por ver um rapaz tão jovem, com perspectivas de uma vida inteira pela frente, ali, no ponto final de sua trajetória por este mundo. E fiquei a pensar onde ele estaria naquele momento.

Como cristã que sou, creio numa continuidade da nossa história após a morte, conforme o que diz a bíblia. Se essa continuidade será boa ou ruim, depende de uma escolha enquanto estamos de passagem por esta vida: assumirmos um compromisso verdadeiro com Deus através de Jesus Cristo, ou não. Não sei qual era a situação daquele rapaz, apesar de saber que ele foi criado de acordo com ensinamentos genuinamente bíblicos. Fiquei muito pensativa sobre isso e acho que, pela primeira vez, me deparei com a seriedade dessa situação.
Muitas vezes não nos permitimos pensar nessas coisas desagradáveis e mórbidas e levamos nossa vida como uma grande festa, mas é importante considerar que um dia todos nós passaremos pela experiência da morte. Será que estamos prontos para enfrentá-la e o que vem depois dela?

domingo, 8 de julho de 2007

O Cristo ganhou!


E entre as sete maravilhas do mundo moderno, com seus 38 metros de altura e 76 anos, está o nosso Cristo Redentor! Ele foi eleito juntamente com os outros seis monumentos ontem, numa cerimônia em Lisboa, Portugal.

Os outros monumentos que compõem as sete maravilhas são: a Muralha da China, a cidade de Petra na Jordânia, o mausoléu do Taj Mahai na Índia, Coliseu de Roma, Pirâmide de Chichén Itzá no México e as ruínas de Machu Picchu no Peru.

terça-feira, 3 de julho de 2007

De cara nova de novo

Eu andei bastante confusa quanto ao layout do Prisma, quem o visita deve ter notado isso. Já troquei umas três vezes pra experimentar e não me decidia, mas agora acho que encontrei meu modelo ideal. Bem simples. Gostaram?

Parabéns meu amor!

Hoje é o aniversário do Nil. Acordei-o de manhã cantando "Parabéns pra você" e mais tarde vamos sair para comemorar.

Meu amor, feliz aniversário e muitos anos de vida ao meu lado. Amo você!

P.S. Gostou do presente? ;))

segunda-feira, 2 de julho de 2007

Réplica

Conforme a contestação do leitor ao último post, faço esta réplica para esclarecimento. Levantou-se a possibilidade do uso do gerúndio em caso de futuro composto, o que não corresponde à realidade, basta que se observe a regra gramatical. O futuro composto envolve os verbos auxiliares ter, ser, haver seguidos de qualquer verbo NO PARTICÍPIO e não no gerúndio. Exemplificando, as formas de utilização são as seguintes:

- Futuro do presente composto do indicativo: "Quando você voltar, já TEREI PARTIDO".
- Futuro do pretérito composto do indicativo: "Eu SERIA VENCIDO se não tivesse me esforçado.
-Futuro composto do subjuntivo: "Quando você TIVER ACABADO, me avise".

Em casos de comum utilização do gerundismo, como "estarei dormindo" ou "estarei te esperando" o correto seria dizer "estarei a dormir" ou “estarei a ter esperar”, frases mais comumente utilizadas no português de Portugal, mas que se aplica ao nosso também.

sexta-feira, 29 de junho de 2007

Até aonde vai o “GERUNDISMO”?

Quem de nós, ao ligarmos para algum callcenter, nunca se deparou com frases do tipo “Vou ESTAR TRANSFERINDO sua ligação”? Essa má utilização do gerúndio se tornou um vício quase impossível de ser corrigido, o que os literários estudiosos denominam de “GERUNDISMO”. Isso é, na verdade, uma tentativa de enfeitar a fala utilizando regras da língua inglesa (ing). O gerúndio é uma forma de colocação do verbo que indica a ação sendo executada no momento da fala, por exemplo: “ESTOU TRANSFERINDO sua ligação”. Sendo assim, não é apropriado usar essa colocação para definir algo que ainda vai acontecer, está gramaticalmente incorreto. É mais apropriado dizer “VOU TRANSFERIR sua ligação” ou “TRANSFERIREI sua ligação”, se a ação de transferir a ligação será executada no futuro.

O triste é que, em toda esquina que você passa tem alguém viciado em gerundismo. É um tal de “vou estar fazendo, vou estar pedindo, vamos estar estudando” Arghhh!!! Ouço tanto que fico até com medo de pegar o vício também.
Pessoal, “vou fazer, vou pedir, vamos estudar”. É muito mais simples e correto!

quinta-feira, 28 de junho de 2007

Férias!

Enfim, férias! Terminaram as aulas semana passada e esta semana só fui á faculdade na segunda para ser liberada de duas provas as quais os professores resolveram não aplicar, afinal já tínhamos sido bem avaliados com trabalho interdisciplinar. Então, tenho um mês de folga dos estudos. Agora, ir pra casa após o serviço está sendo maravilhoso! Passei pela biblioteca e peguei alguns livros da literatura brasileira para ler durante essas férias, entre eles, Menino de Engenho, de José Lins do Rego, e Dom Casmurro, de Machado de Assis. Também tem o nono volume da coleção Deixados para Trás, de Jerry B. Jenkins e Tim Lahaye que quero ler antes de voltar às aulas e ainda terminar de assistir toda primeira temporada da série Louis & Clark que peguei com meu sobrinho (eu adorava quando passava na TV!). Apesar de estar de férias, ficar sem fazer nada dá uma sensação de inutilidade! Então vamos por a leitura em dia. Além disso, eu e Nil vamos poder participar mais das programações semanais da nossa igreja, já que em período de aulas ficamos sempre ausentes.

quinta-feira, 21 de junho de 2007

O Inverno chegou... será?


Hoje, oficialmente, chegou o inverno. Mas nem parece. Apesar de o sol ter-se escondido um pouquinho entre nuvens teimosas como vocês podem ver nessa foto tirada da janela do prédio onde trabalho, a temperatura se mantém estável como nos dias anteriores, variando entre 27º e 30º. Acho que vai demorar a esfriar por aqui. Se esfriar.

Trabalho Acadêmico

Ontem eu e meu grupo apresentamos o trabalho do salmão, do qual falei no penúltimo post. Nunca tínhamos desenvolvido nada assim. Além de toda pesquisa para o trabalho escrito, encenamos uma mesa de negociações internacionais e montamos um stand (o evento teve o formato de uma feira). Não podemos dizer que foi de todo ruim, mas o resultado não foi o esperado, especialmente com relação ao stand. Acho que, devido à falta de experiência de todos nós em executar essa tarefa, faltou um pouco mais de planejamento, detalhamento e, principalmente, experimento do que pretendíamos fazer. Muita coisa não deu certo como havíamos visualizado, muitos contratempos ocorreram e, o mais difícil, trabalhar em grupo sempre causa alguma dor de cabeça. Resultado: a parte visual do trabalho ficou comprometida. Por outro lado, a negociação foi razoável, levamos o prêmio de segundo lugar. Apesar de termos ensaiado bastante, creio que a frustração pelo resultado do stand nos afetou psicologicamente comprometendo a apresentação do grupo. Balanço geral: bom (detesto me sentir medíocre!).

A cima está uma foto do grupo no stand e no Álbum de Fotografias tem outras bem legais, dêem uma passadinha por lá.

terça-feira, 19 de junho de 2007

Uma canção é pra isso

Uma canção é pra acender o Sol
No coração das pessoas,
Pra fazer brilhar como um farol
O som depois que ressoa...

Pra clarear a escuridão
E o mundo encerra.
Pra balançar,
Pra reunir o céu e a terra...

quinta-feira, 14 de junho de 2007

Salmão

Foto retirada da internet, Salmão do Oceano Atlântico ou Salmo Solar.

Foto retirada da internet, fazenda de salmão no Chile.

Foto retirada da internet, sashimi de salmão.


Estou fazendo um trabalho na faculdade, juntamente com alguns colegas, sobre importação de salmão. Apresentaremos na quarta-feira próxima simulando uma negociação internacional durante uma feira com stand e tudo. Muito legal. Durante o trabalho fizemos várias pesquisas e descobrimos coisas muito interessantes sobre esse peixe. Vou lhes contar.

O salmão (primeira foto) é um peixe de água gelada, originalmente do Atlântico e do Pacífico. O Brasil não tem clima favorável para a sua reprodução, por isso todo salmão consumido aqui é importado. Os brasileiros até que tentaram, mas algumas tentativas de criação do peixe fracassaram.
A procriação do salmão é muito interessante. Os ovos são depositados em rios e lagos de água doce e ali nascem os peixinhos. Quando crescem um pouco eles migram para o mar permanecendo lá por cerca de dois anos. Nessa época estão aptos a procriar, então voltam ao mesmo lugar onde nasceram para depositar seus ovos, nadando contra a correnteza. Muitos deles morrem depois desse percurso devido ao cansaço da sua difícil jornada. Os sobreviventes repetem a façanha na temporada seguinte.

A carne do salmão é macia, saborosa e muito nutritiva. É rica em ômega 3, substância muito recomendada pelos médicos e que ajuda a prevenir doenças cardiovasculares. Os benefícios relacionados ao consumo de peixe foram descobertos por volta dos anos 70, quando médicos observaram, por meio de seus estudos, que os esquimós da Groenlândia possuíam um ótimo coração. Isso ocorria devido à sua dieta rica em peixes.

Ao contrário do que se pode imaginar, o salmão que chega à nossa mesa não cresce livremente no mar conforme determina a natureza. Devido ao crescimento significativo do comércio desse produto, há muito o salmão é produzido em viveiros, grandes fazendas de criação (segunda foto). Ali os produtores tentam imitar o ciclo natural de vida do salmão: depositam as ovas em rios de água doce e, depois de um tempo do nascimento, transportam os peixes para o mar, em criadouros devidamente cercado. É utilizada tecnologia de ponta para que se obtenha um excelente produto em tempo recorde para atender à crescente demanda.
Durante algum tempo houve uma grande polêmica quanto à qualidade do peixe criado em viveiro. Autoridades da área de saúde afirmavam que esse produto apresentava grande concentração de dioxina, substância proibida e cancerígena. Além disso, o consumo do peixe cru (sushi e sashimi) apresentava risco à saúde devido à sua contaminação pelo parasita anisakidae, popularmente chamado de piolho. Devido a isso foi proibida a importação do produto fresco no Brasil, sendo aceita somente a de peixe congelado, condição que parasita não suporta. Hoje todas as dúvidas quanto à qualidade do produto foram afastadas e o Brasil importa normalmente grandes quantidades de peixe, tanto fresco como congelado. Nosso exportador é o Chile, segundo maior do mundo, atrás somente da Noruega.

O consumo do salmão no Brasil se deve principalmente ao crescimento da população oriental em nosso país. Em São Paulo, onde se concentra a maior colônia de orientais composta por japoneses, chineses e coreanos, o consumo é muito alto e isso se deve ao fato de serem eles os grandes apreciadores do peixe cru. Seus costumes influenciaram a população nacional e hoje é comum para qualquer pessoa a apreciação de sushis e sashimis (terceira foto), não só de salmão como de outros peixes, atum, por exemplo. Além disso, pratos assados, grelhados e cozidos têm diversificado o formato dessa iguaria tão saborosa.

Este é um (pequeno!) resumo de tudo que estudamos sobre o salmão nos últimos cinco meses. Muito mais eu teria para descrever, mas o post já está longo demais. Espero que tenham apreciado o relato. Ah! Como não poderia deixar de ser, experimentei fazer uma receitinha de salmão no fim de semana passado. Ficou ótimo! Confiram no Livro de Receitas.
.
Update, 10/2010: Prezados leitores, depois de anos que postei sobre esse trabalho, continuo recebendo comentários com solicitações de detalhes e esclarecimento sobre o assunto. Agradeço imensamente o interesse, mas não posso ajudá-los, uma vez que esse foi apenas um trabalho de faculdade e desde então não mais tive acesso a assuntos relacionados à importação de salmão. Além disso, não disponho mais do material de pesquisa que utilizamos, nem do trabalho em si, pois o mesmo ficou com colegas com os quais não tenho mais contato. Mais uma vez agradeço o interesse e os elogios e, ao mesmo tempo, me deculpo por não poder ajudá-los com mais do que esta postagem.

terça-feira, 12 de junho de 2007

Dia dos Namorados

Dia de celebrar o amor!
Hoje almocei com meu eterno namorado. Não temos muito tempo pra comemorar esta data por ser um dia normal de trabalho, faculdade e ainda passarmos o dia bem longe um do outro. Mesmo assim demos um jeito de nos encontrar na hora do almoço. É maravilhoso ter ao nosso lado alguém a quem amamos, com quem compartilhamos TUDO, alguém que se preocupa com a gente, que retribui nosso amor de forma tão completa, enfim, um namorado mesmo estando casada com ele há quase cinco anos. Minha vida mudou muito, para muito melhor depois o Nil passou a fazer parte dela. Ele é realmente um presente de Deus, muito mais especial do que eu tenha pedido ou esperado.
Meu amor, digo isto todos os dias pra você, mas sei que você quer que eu repita: te amo muito!

segunda-feira, 4 de junho de 2007

Frango ao Creme de Cebola - Delícia!

Tem uma receitinha super fácil que preparo de vez em quando e o Nil adora (ele já sabe fazer também). Eu a aprendi num programa de TV e adaptei-a ao nosso gosto, é o Frango ao Creme de Cebola. Uma delícia e facílimo de preparar, muito prático mesmo. Coloquei o passo-a-passo no Livro de Receitas. Experimentem, é muito bom!

segunda-feira, 28 de maio de 2007

Gripe

Essa queda de temperatura dos últimos dias é até gostosa, mas quando vem acompanhada de uma gripe... :((

quinta-feira, 24 de maio de 2007

Dia cinzento

Há menos de um mês para a chegada do inverno, o tempo está cinzento há vários dias. Hora o sol aparece, hora o céu fica coberto por nuvens escuras, mas não chovia há alguns dias. No entanto, hoje a chuvinha deu o ar de sua graça. Nosso outono não tem cara de outono de verdade. As folhas das árvores quase não mudam de cor, nem caem por completo. Isso ocorre porque não temos inverno rigoroso por aqui. O máximo que acontece (pelo menos na região litorânea do estado do Espírito Santo, onde moro) é a temperatura ficar um pouco mais amena que no verão. Hoje amanheceu mais frio que de costume, a temperatura agora está em torno de 20º. Isso é quase o inverno pra nós, uma vez que nessa época do ano a temperatura não baixa mais que 15º em situações extremas (a não ser nas montanhas, onde costuma chegar perto de 5º). A temperatura até que está gostosinha hoje, se não fosse a chuva...

terça-feira, 22 de maio de 2007

Como se forma um país corrupto?

O que se pode esperar de um país onde os políticos de renome, amados e respeitados por seu povo, acham que a corrupção é algo insignificante? É exatamente essa a opinião do ilustríssimo senhor Antônio Carlos Magalhães.
Hoje foi notícia na Folha Online a afirmação desse senhor de que são insignificantes corruptos e corruptores de R$ 20 mil, referindo-se ao sobrinho por ter recebido esse valor da construtora Gautama.
Caramba! Agora ser ou não ser corrupto é classificado por valor? A desonestidade tem limite de tolerância? A que ponto chegamos! É por causa desse tipo de consciência que só ouvimos notícias dessa natureza em todos os meios de comunicação. Às vezes me dá vontade de não assistir mais aos noticiários, pois ali fica mais clara, a cada dia, a descarada falta de respeito dos políticos e a impotência do povo brasileiro perante os seus representantes.
Somos obrigados a assistir todos os dias a nossa própria bancarrota como se fosse algo insignificante. E não culpe o povo por votar errado, pois não há opção de voto que preste, o sistema político está totalmente contaminado por gente como ACM, não há pra onde correr, não há quem escolher. A democracia é uma fraude. Sobre política, eu só acredito nisso.

"Não tenho nada a falar sobre Paulo Magalhães, acho apenas que um corruptor e corrupto de R$ 20 mil é insignificante. No entanto, cada um tem de pagar pelo que fez", disse ACM."

http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u92669.shtml

segunda-feira, 21 de maio de 2007

Segunda... Eta dia difícil...

E começa mais uma segunda-feira. Não que isso seja ruim, tomara que muitas e muitas segundas-feiras venham por aí, mas depois de um fim de semana maravilhoso, juntinho com as pessoas de quem gostamos, no aconchego do nosso lar, é muito difícil retomar a rotina. :(

sexta-feira, 18 de maio de 2007

Momento Econômico

É incrível como a taxa do dólar vem caindo a cada dia nos últimos tempos. E chegamos a R$ 1,95 sem que o governo consiga intervir. Os exportadores estão loucos, pois, como se exporta com uma moeda num valor desses? Mas será que o momento é trágico mesmo? Na verdade, as empresas precisam ampliar sua visão, diversificar os seus negócios e enxergar que uma fase como essa, propícia para as importações, pode ser o melhor momento de se investir em tecnologia estrangeira de ponta a fim de alavancar a indústria brasileira na produção de bens com alto valor agregado. E o Brasil insiste em continuar a exportar somente comodities!

quarta-feira, 16 de maio de 2007

Impaciente

Nunca fui a paciência em pessoa, mas sempre fui bastante contida quanto a isso. Acontece que ultimamente não tenho conseguido mais me conter. As coisas não saem na hora que precisam sair, pra tudo temos que esperar uma eternidade.
Nem mesmo quando pagamos pra que as pessoas nos façam determinados serviços, conseguimos que aquilo seja resolvido em tempo hábil. Hoje fiquei uns 40 minutos esperando o meu prato ficar pronto no restaurante. Quando o da moça que chegou depois de mim foi servido, não agüentei, reclamei (e olha que costumo reclamar em último caso!).
E não é só isso, são filas nos bancos (looooooongas, demoraaaaadas!!!), filas nos médicos, fila no supermercado, fila em tudo quanto é lugar. Órgãos públicos nem se fala. É uma ironia que os que lá trabalham sejam chamados de "servidores públicos", pois quem parece ter que serví-los é o cidadão. E reclama pra você ver aonde você vai parar. Em toda repartição pública tem um cartaz lembrando que o "desacato" ao "servidor" é passível de prisão. Mas o cidadão pode sofrer todo o tipo de desacato da parte deles (não são todos, mas a maioria) sem o menor problema.

Ai, essas coisas me cansam, sabe. Acho que eu estou ficando realmente muito impaciente.

sexta-feira, 11 de maio de 2007

Dia de outono


Hoje o dia está lindo e gostoso! Gosto do outono, esses dias ensolarados, mas frios, típicos da estação. A sensação é de que tudo e todos estão sorrindo e animados com a vida. Só não gosto quando chove. A chuva entristece o dia e nos limita em tudo que vamos fazer. Não gosto de chuva.

terça-feira, 8 de maio de 2007

Cara Nova


O blog está de cara nova. Cansei das bolinhas verdes e amarelas.
;))

Na bronca!

Eu ODEEEEEEEEEEIO esperar mais do que é considerado razoável. Sei que nem tudo está à nossa disposição na hora que queremos, mas tudo tem um limite, até a espera. Hoje fiquei 50 minutos esperando um maldito ônibus pra chegar ao trabalho (detalhe: cheguei atrasada, né). Isso é inadmissível! É perder 50 minutos da vida fazendo o quê? Esperando por algo que deveria ter acontecido há muito tempo.
Às vezes fico imaginando se existe algum lugar onde essas coisas não acontecem, é pra lá que eu gostaria de ir. Outra coisa que ODEEEEEEEEEEIO é quando as pessoas não dão uma posição daquilo que lhes foi solicitado e ficamos esperando como idiotas. Será que custa dizer se o que foi pedido está sendo providenciado ou, se não, quando será feito? Prestadores de serviços são mestres nisso, e quando cobramos explicações eles acham ruim, vê se pode? Eles confundem as coisas, acham que eles estão na posição do cliente e o cliente na deles. É impossível conceber uma coisa dessas! Que ódio!

quarta-feira, 2 de maio de 2007

A culpa não é de Deus!

É comum ouvirmos as pessoas culpando a Deus pelas desgraças e fatalidades do mundo. A questão é que tais pessoas têm dois motivos para agirem assim. Primeiro, a concepção que se tem de Deus é de que Ele é um ser mágico, com uma varinha de condão nas mãos, a postos para realizar os desejos da humanidade sem pedir nada em troca, uma versão masculina das fadas. Segundo, é que tais pessoas vêem a Deus por uma perspectiva humana, no que diz respeito às decisões dele ou a sua forma de ver os acontecimentos, ou seja, são ignorantes a cerca da natureza de Deus.
Vamos esclarecer esses equívocos. Deus criou o homem para glorificá-lo e gozar as bênçãos proporcionadas por Ele. No entanto, o próprio homem acha-se auto-suficiente abandonando e descrendo em Deus. O mundo separado de Deus tornou-se um lugar terrível de se viver. O mal foi disseminado e colocou a todos nós, pessoas "boas" e "ruins", a mercê de suas atrocidades.
É muito fácil questionar que Deus não se importa com o que acontece a nós, mas não consideramos que a maioria de nós é que não nos importamos com Ele. Isso não significa que Ele nos deixa abandonados à própria sorte, mas que, às vezes, utiliza até de recursos que nos causam dor e sofrimento para que nos aproximemos dele, pois Ele nos quer junto de si.
Não podemos ser inocentes a ponto de imaginarmos que Deus nos vê a partir de nossa própria perspectiva humana. Deus é Deus e está completamente além da sabedoria de reles mortais e de suas convicções reslistas. É por isso que a bíblia diz que “todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus...” e inclua nesse pacote até as coisas tidas por nós como ruins.
Essas palavras podem parecer loucura, mas quem conhece a Deus através de Sua Palavra, sabe que essa é a mais pura verdade.

quarta-feira, 25 de abril de 2007

Uma homenagem à Anariza


Anariza é uma pessoa muito especial que conheci há cerca de um ano. Ela faz faculdade comigo. Estou lhe fazendo essa homenagem, pois ontem foi seu aniversário, ela estava tão eufórica e não conseguimos perder aula para comemorar. A Ana, ou Trancinhas como eu costumo chamar, é uma pessoa linda por dentro e por fora. Gosta de ajudar a todos, é a simpatia em pessoa, uma garota batalhadora, inteligente e que nunca perde o bom humor. Ana, sei que é pouco perto do que você merece, mas estas palavras e este carinho partem do fundo do coração. Todos que passarem por aqui saberão que existe alguém muito especial chamada Anariza.

Mais um sobrinho

Sábado foi o Chá de Bebê do meu sobrinho Yan, filho da minha sobrinha Lucianne, que está para nascer em agosto. Pois é, eu já serei tia-avó pela terceira vez. Já tenho um casal de sobrinhos-netos, o Caio e a Julia, filhos do meu sobrinho Julio César (qualquer dia coloco fotos deles aqui). Lucianne está uma grávida muito bonita, no quinto mês de gestação, período mais bonito da gravidez. Ela mora em Belo Horizonte e, como não voltará aqui antes do bebê nascer, resolveu fazer a confraternização agora. Olhem como ela está linda! Um beijo, Lu!

sexta-feira, 20 de abril de 2007

Bom atendimento

Quando estamos acostumados ao mau atendimento que as empresas oferecem aos seus clientes, especialmente nos seguimentos de comércio, ficamos impressionados quando alguém faz a diferença. Outro dia Nil e eu fomos fazer um lanche depois da faculdade numa lanchonete perto da nossa casa. Não tinha o refrigerante que queríamos. Resolvemos ir à lanchonete ao lado pra comprar, pois não queríamos as outras opções que a garçonete nos oferecia. A atendente então, muito simpática, nos disse: “Querem que eu vá comprar pra vocês?” E foi! A moça se dispôs a ir ao concorrente comprar um produto para nos agradar. Achamos muito legal a atitude dela, com certeza, nos ganhou como clientes.

Foi assim


“Foi assim como ver o mar

A primeira vez que meus olhos se viram no seu olhar.

Não tive a intenção de me apaixonar,

Mera distração e já era momento de se gostar.

Quando eu dei por mim

Nem tentei fugir

Do visgo que me prendeu

Dentro do seu olhar.

Quando eu mergulhei no azul do mar

Sabia que era amor e vinha pra ficar...”

quinta-feira, 19 de abril de 2007

Aprimorando os dotes culinários

Nunca pensei que fosse me afeiçoar tanto na cozinha como tem acontecido. Quando eu estava para me casar, algo que realmente me preocupava era o fato de eu não gostar de cozinhar e ser obrigada a isso, pelo menos alguns dias por semana. A verdade é que eu "não sabia cozinhar", diferente de "não gostar de cozinhar". Com o tempo percebi que as coisas que eu fazia davam certo, os pratos ficavam saborosos, bonitos e aí... Já era! Eu estava fisgada pela síndrome do mestre-cuca! Não que eu goste da rotina de cozinhar todos os dias, mas hoje, preparar um prato já não é um bicho-de-sete-cabeças e, quando me proponho a isso, faço com a maior dedicação! É muito legal saborear algo bom preparado com as próprias mãos e também agradar às pessoas de quem gosto dessa maneira. Nó último sábado recebi um casal de novos amigos pra almoçar e ofereci um Strogonoff de Frango, aquele que está no Livro de Receitas. Na segunda também recebi outro casal pra jantar, mas dessa vez preparei uma massa especial, com um molho criado por mim. Não vai dar agora, mas depois coloco a receita no livro.

Update: 04/05/07 12:35 PM. A receita já está a disposição.

sexta-feira, 13 de abril de 2007

Retrato da Felicidade...


Acabamos de nos despedir na porta do prédio onde trabalho, mas já bate uma saudade...

quinta-feira, 5 de abril de 2007

A verdadeira Páscoa

Todas as pessoas sabem que a Páscoa é uma festa religiosa, mas, se perguntarmos o seu real significado, poucos saberão responder.
A Páscoa teve sua origem pela ocasião da libertação dos hebreus que eram escravos no Egito. Foi uma comemoração antecipada ao que iria suceder no dia seguinte, ou seja, a saída do povo daquele país e da condição de escravos rumo à Terra Prometida.
Nessa comemoração o banquete foi composto por carne assada (oriunda do cordeiro sacrificado), pães sem fermento (o fermento significava impureza) e ervas amargas (para lembrar a amargura da vida de escravidão). Os judeus ainda comemoram a data com esse cardápio e consideram as simbologias.
Para nós cristãos, a Páscoa nos remete à ressurreição de Cristo, o que não deixa de ter uma ligação com a páscoa dos judeus, pois os fatos ocorridos no velho testamento da bíblia estão ligados aos fatos ocorridos no novo testamento. Dessa forma, a libertação do povo hebreu após sacrificar um cordeiro e tingir com o sangue as ombreiras das portas livrando seus filhos da morte e sua trajetória até a terra de Canaã para viver uma nova vida, simboliza a nova vida oferecida por Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus, através de sua morte, cujo sangue nos purifica e nos livra da morte espiritual.

Os símbolos comemorativos da Páscoa foram se modificando ao longo dos séculos conforme os festejos de cada povo e suas culturas. Os ovos e o coelho, por exemplo, são símbolos de fertilidade e o início de uma nova vida celebrada por povos pagãos nas festas pela a chegada da primavera. Esses costumes foram assimilados à comemoração pascoal devido à conversão desses povos ao cristianismo.
As idéias que tentam passar esses símbolos não estão em total desacordo com a idéia da festa, mas afasta qualquer indício da realidade dos fatos que movem esta congratulação tão importante para o cristão que é a Páscoa.

Hoje as comemorações pascoais perderam seu real significado para a maioria de nós. Interessa-nos gastarmos pequenas fortunas com ovos de chocolate e aproveitamos o feriado para nossa diversão quando, na verdade, ovos deveriam dar preferência ao pão e ao vinho, e coelhos deveriam ser substituídos pela imagem de um cordeiro.

Comecemos a refletir sobre a Páscoa e o verdadeiro significado que ela pode trazer para as nossas vidas.

segunda-feira, 2 de abril de 2007

Oportunidades

Outro dia, assistindo a uma palestra, ouvi uma comparação muito interessante. Falava-se sobre aproveitar as oportunidades de mudança. O orador caracterizou este ato como um momento em que mudamos ou reafirmamos nossa existência e assemelhou-o a uma bifurcação.

Quando temos mais de uma direção a seguir, cabe-nos tomar uma atitude: continuar em nosso caminho ou aproveitar a oportunidade de mudarmos o rumo. Se optarmos pela primeira possibilidade, tudo seguirá normalmente, as coisas continuarão a ser como sempre foram e seguiremos nosso caminho sem grandes perspectivas. Porém, se optarmos por mudar de direção, abriremos as portas para que nossa vida tome um novo rumo, um novo sentido, para que algo mais e totalmente novo aconteça. Para que isso seja positivo é necessário que tenhamos embasamento quanto a tal atitude, estejamos firmes em nossa decisão, acreditemos na possibilidade de sucesso, tenhamos grande perseverança e estejamos dispostos a mudanças, ás vezes bruscas.

Fazendo um paralelo desse assunto com nossa vida espiritual, muitas vezes ficamos fadados ao fracasso por não aproveitarmos as oportunidades oferecidas por Deus. Somos pessoas medrosas, inseguras e acomodadas, por isso não saímos da inércia para que algo melhor e maior possa acontecer conosco. Temos medo de que as coisas extrapolem as medidas delimitadas pelos nossos “achismos” que dão margem aos nossos conceitos e pré-conceitos.

Quando falo em fracasso, não me refiro simplesmente a tentar e não acertar, falo principalmente em não tentar, pois quem tenta e erra tem grandes chances de um dia acertar. Mas quando ficamos de braços cruzados, a possibilidade de acerto e sucesso é totalmente nula. O principal motivo em nossa vida espiritual que nos leva a não aproveitarmos as oportunidades, é que não estamos tão antenados com Deus como deveríamos. Nosso desconhecimento, ignorância e desinteresse pelas coisas de Deus, nos tornam invulneráveis às mudanças que Ele quer proporcionar em nossas vidas, então deixamos passar as oportunidades para que essas mudanças ocorram.

Adquirirmos experiências verdadeiras com Deus não consiste apenas em freqüentarmos os cultos dominicais ou semanais, cantar, dançar ou participar de alguma outra atividade eclesiástica. Em qualquer outro tipo de organização podemos ser ativos da mesma forma. Adquirirmos experiências verdadeiras com Deus requer muito mais que isso, requer, principalmente, o nosso desejo real de sermos moldados por Ele, e isto refletirá em todos os aspectos de nossa vida. Requer um profundo conhecimento da natureza de Deus para sabermos o que ele espera de nós.

Se o Senhor, pela Sua misericórdia e graça, algum dia te colocar numa bifurcação, dando-lhe a opção de seguir com tua vidinha confortável ou a oportunidade de dar uma tremenda volta e deixar que Ele guie os teus passos através da Sua vontade para uma vida totalmente nova, não fique com a primeira opção. Aproveite a oportunidade de mudar!

Fim de semana

Fim de semana é uma bênção. Nada é melhor do que passar um tempo em casa, descansar, cuidar das coisas da gente, ler um pouco, ver um filme... e preparar um prato especial! Aproveitei o sábado para cozinhar um pouquinho e preparei a polenta recheada que, há tanto tempo, eu queria fazer. Ficou ótima, a receita está no Livro. E o fim de semana se foi. Pena.

sexta-feira, 30 de março de 2007

O Tradicional Strogonoff de Frango

Este post inaugura o link "Livro de Receitas" que eu adicionei ao blog hoje. Minha proposta é compartilhar as receitas que costumo preparar, com aqueles que vierem me visitar aqui no Prisma. E eu não poderia deixar de inaugurar esse espaço com a receita do tradicional Strogonoff de Frango que o Nil, de vez enquando, me obriga a fazer (brincadeira, ele não me obriga, é sempre um prazer. Ele também já aprendeu a preparar e fica muito bom!). Esse foi o primeiro prato especial que aprendi a cozinhar depois que nos casamos. Sempre o saboreamos com muito prazer, pois nos lembra o início de tudo. A receita está no Livro, em “Postando por aqui também”. Entre, copie, prepare e delicie-se, pois o prato fica ótimo!