quarta-feira, 25 de abril de 2007

Uma homenagem à Anariza


Anariza é uma pessoa muito especial que conheci há cerca de um ano. Ela faz faculdade comigo. Estou lhe fazendo essa homenagem, pois ontem foi seu aniversário, ela estava tão eufórica e não conseguimos perder aula para comemorar. A Ana, ou Trancinhas como eu costumo chamar, é uma pessoa linda por dentro e por fora. Gosta de ajudar a todos, é a simpatia em pessoa, uma garota batalhadora, inteligente e que nunca perde o bom humor. Ana, sei que é pouco perto do que você merece, mas estas palavras e este carinho partem do fundo do coração. Todos que passarem por aqui saberão que existe alguém muito especial chamada Anariza.

Mais um sobrinho

Sábado foi o Chá de Bebê do meu sobrinho Yan, filho da minha sobrinha Lucianne, que está para nascer em agosto. Pois é, eu já serei tia-avó pela terceira vez. Já tenho um casal de sobrinhos-netos, o Caio e a Julia, filhos do meu sobrinho Julio César (qualquer dia coloco fotos deles aqui). Lucianne está uma grávida muito bonita, no quinto mês de gestação, período mais bonito da gravidez. Ela mora em Belo Horizonte e, como não voltará aqui antes do bebê nascer, resolveu fazer a confraternização agora. Olhem como ela está linda! Um beijo, Lu!

sexta-feira, 20 de abril de 2007

Bom atendimento

Quando estamos acostumados ao mau atendimento que as empresas oferecem aos seus clientes, especialmente nos seguimentos de comércio, ficamos impressionados quando alguém faz a diferença. Outro dia Nil e eu fomos fazer um lanche depois da faculdade numa lanchonete perto da nossa casa. Não tinha o refrigerante que queríamos. Resolvemos ir à lanchonete ao lado pra comprar, pois não queríamos as outras opções que a garçonete nos oferecia. A atendente então, muito simpática, nos disse: “Querem que eu vá comprar pra vocês?” E foi! A moça se dispôs a ir ao concorrente comprar um produto para nos agradar. Achamos muito legal a atitude dela, com certeza, nos ganhou como clientes.

Foi assim


“Foi assim como ver o mar

A primeira vez que meus olhos se viram no seu olhar.

Não tive a intenção de me apaixonar,

Mera distração e já era momento de se gostar.

Quando eu dei por mim

Nem tentei fugir

Do visgo que me prendeu

Dentro do seu olhar.

Quando eu mergulhei no azul do mar

Sabia que era amor e vinha pra ficar...”

quinta-feira, 19 de abril de 2007

Aprimorando os dotes culinários

Nunca pensei que fosse me afeiçoar tanto na cozinha como tem acontecido. Quando eu estava para me casar, algo que realmente me preocupava era o fato de eu não gostar de cozinhar e ser obrigada a isso, pelo menos alguns dias por semana. A verdade é que eu "não sabia cozinhar", diferente de "não gostar de cozinhar". Com o tempo percebi que as coisas que eu fazia davam certo, os pratos ficavam saborosos, bonitos e aí... Já era! Eu estava fisgada pela síndrome do mestre-cuca! Não que eu goste da rotina de cozinhar todos os dias, mas hoje, preparar um prato já não é um bicho-de-sete-cabeças e, quando me proponho a isso, faço com a maior dedicação! É muito legal saborear algo bom preparado com as próprias mãos e também agradar às pessoas de quem gosto dessa maneira. Nó último sábado recebi um casal de novos amigos pra almoçar e ofereci um Strogonoff de Frango, aquele que está no Livro de Receitas. Na segunda também recebi outro casal pra jantar, mas dessa vez preparei uma massa especial, com um molho criado por mim. Não vai dar agora, mas depois coloco a receita no livro.

Update: 04/05/07 12:35 PM. A receita já está a disposição.

sexta-feira, 13 de abril de 2007

Retrato da Felicidade...


Acabamos de nos despedir na porta do prédio onde trabalho, mas já bate uma saudade...

quinta-feira, 5 de abril de 2007

A verdadeira Páscoa

Todas as pessoas sabem que a Páscoa é uma festa religiosa, mas, se perguntarmos o seu real significado, poucos saberão responder.
A Páscoa teve sua origem pela ocasião da libertação dos hebreus que eram escravos no Egito. Foi uma comemoração antecipada ao que iria suceder no dia seguinte, ou seja, a saída do povo daquele país e da condição de escravos rumo à Terra Prometida.
Nessa comemoração o banquete foi composto por carne assada (oriunda do cordeiro sacrificado), pães sem fermento (o fermento significava impureza) e ervas amargas (para lembrar a amargura da vida de escravidão). Os judeus ainda comemoram a data com esse cardápio e consideram as simbologias.
Para nós cristãos, a Páscoa nos remete à ressurreição de Cristo, o que não deixa de ter uma ligação com a páscoa dos judeus, pois os fatos ocorridos no velho testamento da bíblia estão ligados aos fatos ocorridos no novo testamento. Dessa forma, a libertação do povo hebreu após sacrificar um cordeiro e tingir com o sangue as ombreiras das portas livrando seus filhos da morte e sua trajetória até a terra de Canaã para viver uma nova vida, simboliza a nova vida oferecida por Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus, através de sua morte, cujo sangue nos purifica e nos livra da morte espiritual.

Os símbolos comemorativos da Páscoa foram se modificando ao longo dos séculos conforme os festejos de cada povo e suas culturas. Os ovos e o coelho, por exemplo, são símbolos de fertilidade e o início de uma nova vida celebrada por povos pagãos nas festas pela a chegada da primavera. Esses costumes foram assimilados à comemoração pascoal devido à conversão desses povos ao cristianismo.
As idéias que tentam passar esses símbolos não estão em total desacordo com a idéia da festa, mas afasta qualquer indício da realidade dos fatos que movem esta congratulação tão importante para o cristão que é a Páscoa.

Hoje as comemorações pascoais perderam seu real significado para a maioria de nós. Interessa-nos gastarmos pequenas fortunas com ovos de chocolate e aproveitamos o feriado para nossa diversão quando, na verdade, ovos deveriam dar preferência ao pão e ao vinho, e coelhos deveriam ser substituídos pela imagem de um cordeiro.

Comecemos a refletir sobre a Páscoa e o verdadeiro significado que ela pode trazer para as nossas vidas.

segunda-feira, 2 de abril de 2007

Oportunidades

Outro dia, assistindo a uma palestra, ouvi uma comparação muito interessante. Falava-se sobre aproveitar as oportunidades de mudança. O orador caracterizou este ato como um momento em que mudamos ou reafirmamos nossa existência e assemelhou-o a uma bifurcação.

Quando temos mais de uma direção a seguir, cabe-nos tomar uma atitude: continuar em nosso caminho ou aproveitar a oportunidade de mudarmos o rumo. Se optarmos pela primeira possibilidade, tudo seguirá normalmente, as coisas continuarão a ser como sempre foram e seguiremos nosso caminho sem grandes perspectivas. Porém, se optarmos por mudar de direção, abriremos as portas para que nossa vida tome um novo rumo, um novo sentido, para que algo mais e totalmente novo aconteça. Para que isso seja positivo é necessário que tenhamos embasamento quanto a tal atitude, estejamos firmes em nossa decisão, acreditemos na possibilidade de sucesso, tenhamos grande perseverança e estejamos dispostos a mudanças, ás vezes bruscas.

Fazendo um paralelo desse assunto com nossa vida espiritual, muitas vezes ficamos fadados ao fracasso por não aproveitarmos as oportunidades oferecidas por Deus. Somos pessoas medrosas, inseguras e acomodadas, por isso não saímos da inércia para que algo melhor e maior possa acontecer conosco. Temos medo de que as coisas extrapolem as medidas delimitadas pelos nossos “achismos” que dão margem aos nossos conceitos e pré-conceitos.

Quando falo em fracasso, não me refiro simplesmente a tentar e não acertar, falo principalmente em não tentar, pois quem tenta e erra tem grandes chances de um dia acertar. Mas quando ficamos de braços cruzados, a possibilidade de acerto e sucesso é totalmente nula. O principal motivo em nossa vida espiritual que nos leva a não aproveitarmos as oportunidades, é que não estamos tão antenados com Deus como deveríamos. Nosso desconhecimento, ignorância e desinteresse pelas coisas de Deus, nos tornam invulneráveis às mudanças que Ele quer proporcionar em nossas vidas, então deixamos passar as oportunidades para que essas mudanças ocorram.

Adquirirmos experiências verdadeiras com Deus não consiste apenas em freqüentarmos os cultos dominicais ou semanais, cantar, dançar ou participar de alguma outra atividade eclesiástica. Em qualquer outro tipo de organização podemos ser ativos da mesma forma. Adquirirmos experiências verdadeiras com Deus requer muito mais que isso, requer, principalmente, o nosso desejo real de sermos moldados por Ele, e isto refletirá em todos os aspectos de nossa vida. Requer um profundo conhecimento da natureza de Deus para sabermos o que ele espera de nós.

Se o Senhor, pela Sua misericórdia e graça, algum dia te colocar numa bifurcação, dando-lhe a opção de seguir com tua vidinha confortável ou a oportunidade de dar uma tremenda volta e deixar que Ele guie os teus passos através da Sua vontade para uma vida totalmente nova, não fique com a primeira opção. Aproveite a oportunidade de mudar!

Fim de semana

Fim de semana é uma bênção. Nada é melhor do que passar um tempo em casa, descansar, cuidar das coisas da gente, ler um pouco, ver um filme... e preparar um prato especial! Aproveitei o sábado para cozinhar um pouquinho e preparei a polenta recheada que, há tanto tempo, eu queria fazer. Ficou ótima, a receita está no Livro. E o fim de semana se foi. Pena.