segunda-feira, 2 de julho de 2007

Réplica

Conforme a contestação do leitor ao último post, faço esta réplica para esclarecimento. Levantou-se a possibilidade do uso do gerúndio em caso de futuro composto, o que não corresponde à realidade, basta que se observe a regra gramatical. O futuro composto envolve os verbos auxiliares ter, ser, haver seguidos de qualquer verbo NO PARTICÍPIO e não no gerúndio. Exemplificando, as formas de utilização são as seguintes:

- Futuro do presente composto do indicativo: "Quando você voltar, já TEREI PARTIDO".
- Futuro do pretérito composto do indicativo: "Eu SERIA VENCIDO se não tivesse me esforçado.
-Futuro composto do subjuntivo: "Quando você TIVER ACABADO, me avise".

Em casos de comum utilização do gerundismo, como "estarei dormindo" ou "estarei te esperando" o correto seria dizer "estarei a dormir" ou “estarei a ter esperar”, frases mais comumente utilizadas no português de Portugal, mas que se aplica ao nosso também.

2 comentários:

Flávio Rod disse...

"Em casos de comum utilização do gerundismo, como "estarei dormindo" ou "estarei te esperando" o correto seria dizer "estarei a dormir" ou “estarei a te esperar”, frases mais comumente utilizadas no português de Portugal, mas que se aplica ao nosso também."
Chamaram-me a atenção esses exemplos que você transcreveu em bom português lusitano. Isso me fez lembrar de um programa do Nossa Língua Portuguesa - programa apresentado pelo renomado prof. Pasquale Cipro Neto - a respeito do assunto. Em Portugal praticamente não se usa o gerúndio. Já aqui no Brasil é muito mais comum e correto dizer "cantando" ao invés de "a cantar", "dormindo" ao invés de "a dormir", ou seja, o modo de expressar lusitano equivale ao nosso gerúndio. Nem sempre o que é certo lá, é aceito aqui. O nosso português precisa ser natural e fluente.
Mas vejo com muita estranheza a alegação de que o gerúndio não pode ser usado com o futuro, visto que temos muitos exemplos literários do uso do mesmo com o passado. Por exemplo:
"Estava caminhando pela calçada, quando um buraco me surpreendeu".
Nesta frase havia uma ação progressiva até que algo a interrompeu. Neste caso, o fator tempo (quando) é levado em consideração.
Procurarei mais informações sobre o uso do gerúndio. Mas até lá mantenho minha posição - Afinal, não sou tão puritano assim!

Celinha disse...

Flávio, fique à vontade quanto à maneira mais conveniente para você se expressar, isso mostra como a língua é viva. O gerundismo é um assunto já abordado por professores meus, tanto de curso preparatório para concurso, quanto de faculdade e já vi posições a respeito na televisão e na internet. Isso serve como base, juntamente com meus estudos pessoais, para a abordagem desse assunto. Essa forma de falar parece mais comum tanto para você como para a maioria das pessoas de tão usual que se tornou, mas continue suas pesquisas, você vai chegar a um esclarecimento. No site a seguir você pode tirar suas dúvidas com o próprio professor Pasquale Cipro Neto
http://www2.uol.com.br/linguaportuguesa