quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

O trigo e o joio

O assunto sobre o qual vou tratar hoje é um tanto polêmico, mas não pude resistir à necessidade de escrever sobre isso. Não espero que o meu post possa mudar a opinião das pessoas, mas sinto-me no dever de me expressar a esse respeito e, ao menos, tentar esclarecer alguns pontos.

Li num blog sobre o casal Estevam e Sônia Hernandes, líderes da Igreja Renascer em Cristo, que foram presos nos Estados Unidos por portarem alta quantia sem declarar à alfândega. No Brasil eles já estavam atolados até ao pescoço em problemas com a justiça, acusados de vários crimes. O post mostrava indignação pelas atitudes do casal e pela crença cega de pessoas que se deixam envolver por essa gente. Mas o que me chamou à atenção foi um comentário feito a esse post, em que o comentarista citava o carro do pastor da igreja onde um parente freqüenta. Esse comentário me levou a refletir.

É desolador o que esses charlatães estelionatários de uma figa podem causar às pessoas. Eles provocam duas situações extremas: levam pessoas desavisadas a acreditar inqüestionavelmente em sua filosofia dita cristã e a cair em seus golpes e, ao mesmo tempo, levam pessoas menos inocentes a desacreditarem totalmente no evangelho genuíno e puro que Cristo ensinou. Esse segundo grupo não consegue enxergar que no meio de toda essa sujeira existem pessoas que professam uma fé autêntica sem a intenção de levar vantagem sobre ninguém.

A contribuição com a igreja é bíblica e, você há de convir, necessária para manter a organização funcionando. Muitos se ocupam em criticar o dízimo, mas sequer consideram que numa igreja, como em qualquer organização, paga-se água, luz, telefone, faxineira, faz-se manutenção física, etc.. E o pastor? “Ah, o pastor é um folgado que enriquece à custa do povo inocente”. Eu lhe digo que há igrejas que preferem que seus pastores trabalhem em um emprego secular, pois assim eles garantem o seu sustento. Porém, existem as que preferem que o pastor esteja à sua disposição para atender às necessidades da comunidade e garantir com maior eficácia o crescimento espiritual da congregação. Se a igreja faz essa exigência, nada é mais justo do que pagar um salário para ter o pastor em serviço integral, salário esse que é estipulado pela própria igreja ou por algum órgão superior à qual ela se submeta. Infelizmente há os que não consideram o pastorado como um trabalho digno. Com esses não tem o que argumentar.

Sei que nem sempre as coisas são como descrevi acima. Existem sim as igrejas, e não são poucas, onde seus líderes passam a mão em toda a arrecadação e a manipula a seu bel prazer, adquirindo luxo para si e construindo “paraísos na terra”, quando deveria usá-la de forma justa e bíblica em prol do evangelho e da comunidade. Mas eu me referi, no parágrafo anterior, a uma igreja séria (sim, elas existem!), que tem como base de seus procedimentos os critérios determinados na bíblia, cujo propósito principal é pregar a Palavra de Deus, e não dar ênfase à teologia da prosperidade, destorcendo as Escrituras Sagradas, como muito se vê por aí. O ponto que desejo destacar é que nem todas são iguais e não se deve generalizar.

Infelizmente os estelionatários e charlatães continuarão a existir. Os que citamos não são os únicos, nem os primeiros e nem serão os últimos. Nos tempos bíblicos eles já estavam lá, basta ler Atos 16:16, sobre a jovem escrava cujas adivinhações garantiam grande lucro aos seus donos. O que importa a nós cristãos é que sejamos trigo no meio do joio, pois chegará o tempo da colheita em que ambos serão separados, aqueles para honra e estes para destruição.

14 comentários:

Victor Fontana disse...

Eu não teria escrito melhor. O tema é polêmico mesmo e foi muito bem tratado pela autora.

Parabéns!

Andréia disse...

esse assunto é só polêmcia + sabe eu só vejo a mão de Deus nessa história ocmo a biblia fala Deus dá a cada um conforme a obra de suas mãos e foi o q aconteceu c esse casal e o mais lindo é que eles continuam pregando a palavra eu ja assisti a pregação da bispa sônia pela tv e ela pregou com unção pq o que tem poder é o nome de Jesus o que impacta multidão é o nome de Jesus, o pregador é cano e o cano enferruja ou entope.. todo mundo erra! pode ver q qualquer empresário já sonegou impostos de uma forma ou de outra eu acho q a desonestidade tá enraizada na nossa cultura + com Deus ningume brinca só ele revela o oculto e escondido.. Deus certamente tem algo com essa igreja por isso ela n fechou as portas pq foi O ESCÂNDALO..

a biblia é clara em respeito ao dizimo e tm tem varios exemplos de pessoas que viviam da obra + enriquecer com ela já n é certo.. a biblia fala q cada obreiro é digno do seu salario, isso é pra se alimentar e carantir o seu teto + n qr dizer que ele deva comer caviar e mora numa mansão..

beijos!! e ate+

Taty disse...

É um assunto muito polêmico mesmo, mas tem de haver, antes de tudo, o famoso e esquecido bom senso. E tb saber entender mais o q se ouve, entender o q está escrito, enfim, separar o joio do trigo. Não é fácil, mas está longe de ser difícil. Muito bom o texto.
Um beijo!!

vivendo disse...

Nas Igrejas existem seres humanos!!Cheios de qualidades e defeitos...Não tem jeito. Eu quando vou à igreja é para buscar a Deus, porque as pessoas já me desanimaram demais...O maior é Deus.beijos, Vivi Amorim

Jannine L'Amour disse...

Concordo inteiramente com vc Célia, a que se separar o joio do trigo. Um super beijo e parabéns pelo post.

O Profeta disse...

Um polémico tema a merecer a reflexão de quem frequenta as igrejas...


Este vento que sopra nos brandais
Leva de arrasto a minha alma
A proa estende-se adiante na vaga
Olhar de garça o meu coração acalma

Ai quem me dera voar no canal
Ai quem me dera ser a tua espera
Ai quem me dera que o amor
Ai! morasse naquela terra


Bom fim de semana


Doce beijo

Luis F disse...

Venho agradecer as tuas palavras no Mar de Sonhos e aproveito para retribuir a visita.

Li o texto e adorei... Polémico é verdade, mas muito bem escrito.

Parabens e bom fim-de-semana

Raphael Rap disse...

Bastante complicado... Creio que existem formas de igreja diferentes da forma que a gente "pegou" como sendo a verdadeira...

Por isso que sou contra dízimos e hierarquia...

Ricardo Luiz disse...

Olá...
A respeito da reportagem do teu post,
às duras penas vejo que a segunda opção acontece com cada vez mais frequencia.
Pôxa, se a pessoa que lidera uma igreja não demonstra crer na fé que professa, então quem????
É um assunto muito bem escolhido....
Um bjo enorme!
Ótimo fds.

Priscilla disse...

Olá!
Um tanto quanto polêmico o assunto tratado, mas muito bem colocado.
Concordo com suas palavras, e oro para que o Senhor dê a todos o discernimento necessário para que saibamos realmente separar o joio do trigo!
Um forte abraço!

Casamento feliz disse...

Incrível como vc conseguiu explicar de forma tão sussinta e correta um assunto tão complexo . Que Deus te abençoe , boa semana

Georgia disse...

Parabéns pelo assunto e parabéns por vc tê-lo escrito tao bem. As igrejas têm despesas enormes assim como qualquer outra instituicao. Eu sou rigorosa, quem nao entrega o dízimo deveria assistir o culto em pé. Digo assistir mesmo, pois quem vai á igreja para cultuar, sabe exatamente das necessidades dela.

Belo post.

Grande beijo

Celia Rodrigues disse...

Antes de responder individualmente aos comentários, quero agradecer a todos que deixaram suas opiniões e, especialmente aos que a demonstraram de forma contrária, mas com respeito e sensatez.

Victor, que bom que gostou do texto. Agradeço a visita e espero que você retorne sempre. Um abraço!

Andréia, creio que todos nós somos pecadores e sempre tendemos às quedas. Graças à misericórdia de Deus, não somos consumidos pela sua ira. Porém há uma grande diferença entre permanecer na presença de Deus arrependido dos atos cometidos e dizer-se na presença dEle tendo uma conduta continuamente pecaminosa sem reconhecer seus erros, basta pesquisar sobre a vida dos citados. Não devemos nos impressionar por uma boa oratória, mas buscarmos sabedoria dos céus. Grande abraço!

Taty, além de bom senso, devemos sempre buscar a sabedoria divina, como fez o rei Salomão, para sabermos discernir se algo vem de Deus ou não. Beijo, querida!

Vivi, infelizmente o que nos faz tão falhos é o pecado que nos cerca, com isso não tem jeito enquanto vivermos neste mundo. Porém, a bíblia nos dá todo suporte para vivermos unidos, pois isso é agradável a Deus, apesar das decepções (salmos 133). Grande beijo!

Oi Jan! Legal que você resolveu aparecer depois de tanto tempo! Beijo, linda!

Profeta, a reflexão nos leva a encontrar soluções. Grata pelo poema que me deixaste de presente. Um abraço!

Luis, que bom que gostou do texto. Venha me visitar sempre que quiser. Um abraço!

Raphael, tanto os dízimos como a hierarquia são determinações bíblicas. Essas determinações só não funcionam quando colocadas em prática à margem do que diz a palavra de Deus. Infelizmente é o que mais vemos acontecer. Grande abraço!

Ricardo, é por isso que, ates de “pertencermos” a uma igreja, devemos pertencer a Cristo, pois ele nos direcionará o caminho por onde seguir, e é Ele quem devemos ter como exemplo de vida e não a seres humanos falhos como nós mesmos. Um forte abraço!

Priscilla, assim como eu disse para a Taty, só buscando sabedoria de Deus, somos capazes de discernir o que procede dEle ou não. Beijo, querida!

Casamento Feliz, Que bom que gostou do texto. Uma ótima semana para você também. Beijo!

Hahaha! Geórgia, assistir ao culto de pé? Essa é muito boa, rsrsrs! Mas concordo com você, quem não entrega o dízimo está em desobediência à ordenança bíblica e ama tanto o seu dinheiro que não é capaz de contribuir. A bíblia diz que o amor ao dinheiro é a raiz de todo o mal, e não há mal maior do que desobedecer a palavra de Deus negando-lhe fidelidade. Grande beijo, amiga!

Daniel... disse...

Célia minha amiga, seu sangue de jornalista sobressalta em suas palavras. Excelente e lúcido texto. O li como se estivéssemos conversando pessoalmente. Parabéns pelo texto.