sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Leva-me além

Pessoal, se nesta semana foi complicado passar por aqui, imagina nos blogs amigos. Estou devendo visitas a quase todo mundo. Também não consegui postar nada, não tive tempo e, para dizer a verdade, também faltou um pouco de inspiração para escrever um bom texto. Eu estava certa de findar a semana sem deixar nada aqui, porém, hoje de manhã, enquanto vinha para o trabalho, fiquei ouvindo uma canção da qual gosto muito e que costumamos cantar em minha igreja de vez em quando. Ela é belíssima e inspiradora, e reflete o desejo do meu coração sobre o meu relacionamento com Deus. Pensei: “porque não compartilhar tão linda canção com os meus amigos?” Aí está. Além do vídeo, a letra profundamente bela.

Prometo retornar na semana que vem com novos textos e responder a todos os comentários do último post. Ótimo fim de semana para todos!

Para abrir o vídeo, clique aqui.
Leva-me além
Ministério Toque no Altar

Render a ti adoração e derramar meu ser
É o que meu coração deseja toda manhã.
Te imaginar é me inspirar pra te dizer:
Estou apaixonado cada vez mais por ti!
Senhor, tu és incomparável, teu nome é maravilhoso!
Leva-me além, leva-me além...
A um nível mais profundo de intimidade contigo, óh senhor!
Leva-me além, leva-me além...
Que a minha vida flua mais da tua unção,
Mais do teu poder.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Hoje: reflexo de ontem


Andei observando a vida alheia. Uma observação minuciosa, diária e, por vezes, difícil de ser encarada. Eis a minha análise.

Creio que a velhice é - ou deveria ser - uma das melhores fases da vida. Depois de termos criado nossas famílias, de termos trabalhado anos a fio e construído um pequeno – ou grande! - patrimônio que nos garanta sustento com tranqüilidade, depois de termos adquirido toda experiência e conhecimentos possíveis, depois de viajar mundo a fora e de fortalecer laços de amizade no decorrer dos anos, depois de tudo isso, a vida deveria ser só alegria. Aposentadoria e rendimentos no bolso, viagens e excursões com a galera da melhor idade, família reunida nos fins de semana, dias para descansar ou se dedicar a pequenas tarefas domésticas, ou ainda a terapias ocupacionais. Esse é o perfeito retrato da velhice.

Mas não é o que sempre costumamos ver.

Para certas pessoas a velhice chega como um grande fardo do qual elas estão loucas para se livrar. A morte parece ser a válvula de escape. Tudo que tinha para ser feito já o foi e os dias que restam são movidos apenas por lembranças nostálgicas e lágrimas pelo que se perdeu. O prazer de viver não existe porque o vigor se foi e nada mais é como antes. As doenças próprias da idade vêm e, com elas, a depressão e o enfado que geram outras doenças e complicações das que já existem. As falas são norteadas de suspiros e ais, e os lamentos são constantes. Será impossível ser feliz na velhice? Essa questão me perturbou tanto que me levou buscar respostas. E eu as encontrei.

Por centenas de vezes ouvimos dizer que as pessoas colhem o que plantaram, e nem sempre fazemos caso dessa verdade. Vivemos nossas vidas sem nos preocupar com os outros – e os outros nem precisam ser estranhos, podem ser a nossa própria família. Tomados pelo egoísmo, passamos a vida sedentos de TER cada vez mais e SER cada vez menos. E quanto mais se tem, mais se gasta e nada se guarda. O importante é viver o hoje; o amanhã a Deus pertence. Nossos relacionamentos são superficiais e baseados em interesses. Amigos? Quem precisa deles? Pessoas que freqüentem nossas casas? Ah, receber dá muito trabalho, melhor aderir ao individualismo, “cada macaco no seu galho”, isso evita problemas e tarefas desnecessárias. Em casa o diálogo não existe. Gentilezas? Jamais, isso gera o desrespeito dos filhos para com os pais. As conversas se limitam ao necessário e o que passa disso, normalmente são discussões acaloradas, frutos de algum desentendimento, isso quando o clima não piora ao ponto de colocar em dúvida a civilidade. As promessas não são cumpridas. Agrados não são feitos. Cobranças sim. Não existem sorrisos simpáticos. Zombeteiros sim. Rebeldia. Desentendimentos. A guerra dos sexos prevalece e, entre um casal onde deveria haver parceria, há competitividade e desrespeito. Amor e compreensão não existem. Autoritarismo e anulação sim.

Cultivar uma vida dessas não pode gerar algo bom no futuro. Idosos necessitam de atenção, carinho, ajuda. Mas como conseguirão se isso não foi ofertado por eles quando jovens? Filhos que não aprenderam a ser gentis, amorosos, cuidadosos e carinhosos, não terão nada disso a oferecer, ainda que seja sua obrigação. E é só isto que representará para eles o cuidar dos pais: uma obrigação, totalmente desprovida de prazer. Nessa fase da vida, onde estarão os amigos com quem dar boas risadas das experiências vividas juntos se elas nunca existiram? Onde estarão as economias para uma sobrevivência digna e independente se todos os ganhos foram desperdiçados ou não houve preocupação e planejamento para o futuro? Não haverá família ou amigos por perto com quem compartilhar, se suas vidas mal vividas só geraram amargura capaz de afastar a todos de si.

Uma velhice feliz significa colher os frutos de toda uma vida semeando amor, amizade, cuidado, respeito, atenção, companheirismo, hospitalidade, bons relacionamentos e, acima de tudo, intimidade com Deus. Não consigo compreender que, pessoas que se dizem tementes a Deus e próximas a Ele, cheguem a essa fase sem alegria de continuar vivendo. Sei que estar com Deus é muito melhor do que estar neste mundo, mas a vida é uma dádiva do próprio Deus e, enquanto Ele a conceder a nós, devemos vivê-la da melhor maneira possível, agradando-O acima de tudo.

Todo este relato causa dor ao meu coração, mas, ao mesmo tempo, é um grande exemplo para que eu escolha um rumo diferente. Quero cultivar o bem viver. Quero que meu lar seja o melhor lugar do mundo, que meu marido me ame e seja amado por mim, a despeito das diferenças. Quero que o respeito, a admiração e o amor, acima de tudo, sejam constantes entre nós. Quero que nossos futuros filhos vejam em nós exemplos a serem seguidos, que nos amem e nos respeitem, independente se suas opiniões divergirem das nossas, e que eles sintam segurança em manifestá-las, ainda que preterindo-as à obediência. Quero multiplicar, triplicar, quadruplicar os amigos! Que eles sejam pilares onde possamos nos apoiar quando nossas forças estiverem se esvaindo. Quero colher, na minha velhice, os doces frutos de uma vida consagrada a Deus, que valeu à pena ser vivida e que ainda valerá até o último suspiro.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Parabéns para mim!

Hoje faço 32 anos. Muitas pessoas, a maioria delas, diz que não pareço nem de longe ter a idade que tenho. Gosto bastante disso, hehe! A verdade é que estou muito feliz. Vivo uma fase maravilhosa e este aniversário está sendo comemorado com a maior alegria. Agradeço a Deus, primeiramente por me amar de forma tão especial, apesar de eu ser uma filha tão imperfeita, e, além disso, por ter-me ajudado a fazer muitas conquistas importantes até aqui, algumas que, em algum dia, pensei não ser capaz de conseguir. Agradeço também por Ele ter-me presenteado com o Nil, uma pessoa muito mais que especial, que torna esta e todas as outras datas, comemorativas ou não, tão maravilhosas.

O post de hoje será longo e é duplamente especial. Nele quero expressar minha alegria pelo meu 32º aniversário – já o fiz acima – e também quero contar sobre o maravilhoso presente de aniversário que ganhei do Nil: um fim de semana em Pedra Azul!


A região de montanhas capixabas é linda! Eu sou apaixonada por esse lugar! Tenho que lhes dizer que, se algum dia vocês vierem ao Espírito Santo, não deixem de conhecer as cidades serranas e se hospedar em um dos muitos hotéis ou pousadas daqui. Tenho certeza de que ficarão muito bem impressionados.

Pedra Azul é uma reserva localizada no município de Domingos Martins, onde está uma elevação magnífica que dá nome ao local: a pedra azul. É uma formação rochosa em granito de cerca de 500m de altura que, conforme a época, recebe tons de azul-esverdeado. No Parque Estadual da Pedra Azul, pode-se agendar caminhadas pelas diversas trilhas da reserva que dão acesso às belíssimas piscinas naturais, à trilha do lagarto ou aos paredões da pedra azul. Mas o passeio exige bom condicionamento físico, pois as trilhas podem atingir até 1200m de altura. Eu deixei a aventura para outra ocasião, hehe. A biodiversidade local é rica, onde se encontra espécies como macacos, tatus, tamanduás, onças pintadas e até o sagüi-da-serra, ameaçado de extinção. Entre a vegetação, encontramos variadas espécies de orquídeas, bromélias, ipês, cedros, dentre outros.

Sábado acordamos com um dia tão lindo, como foi a sexta-feira. Resolvemos umas coisinhas rápidas e pegamos a BR 262 rumo à Pedra Azul. Chegamos lá pontualmente às 12hs e, de cara, eu fiquei encantada com o lugar onde nos hospedamos: a Pousada Aracê. Eu só a tinha visto pela internet, e como o site não é lá essas coisas, não imaginei que ela fosse tão jeitosa e aconchegante. Claro que só fizemos a reserva por que fomos bem recomendados por uma colega de trabalho do Nil, que já havia se hospedado por lá e achou tudo ótimo. Nossa suíte, com hidromassagem e lareira, era um aconchego. Mas o que me chamou à atenção foi o ar super fresco em pleno meio-dia, aliado à natureza linda em volta dos chalés. A pousada fica no distrito de Aracê, um lugarejo muito charmoso que nos fez sentir como se estivéssemos num cenário de novela antiga do horário das seis. Após nos alojarmos, saímos para almoçar no restaurante Peterles, uma graça em estilo rústico e com comida saborosíssima. O restaurante funciona desde 1981 e, juntamente com a pousada de mesmo nome, pertence à família Peterles de imigrantes italianos chegados ao Brasil em 1885. Não consegui tirar fotos do local, pois estava bem cheio o chip de memória da minha câmera resolveu me dar um susto enquanto estávamos lá.

O Sábado seguiu com muitos clics e descobertas das belezas da região. À tarde fizemos um lanche na Cantina que fica em frente à pousada onde nos hospedamos. Comi pão com lingüiça (nham, nham, nham), coisa de roça mesmo, que eu não comia há tanto tempo. Mas não estou falando de qualquer lingüiça. O produto é fabricado ali mesmo, com puro pernil suíno, sem toucinho e vendido a quilo numa casa de produtos da região. Trouxemos um quilo para casa.

Á noite chegou com um frio que eu não acreditei. Fazia pelo menos uns 18º e, de madrugada, acredito que se chegou a uns 15º (não riam, isso é considerado frio por aqui). Tomamos um caldo verde ali mesmo e nos enrolamos em edredons macios, depois de um delicioso banho de imersão bem quentinho. Decidimos dispensar a lareira, pois a graça estava em curtir o friozinho que fazia.

O domingo começou com um café da manhã que ainda me dá água na boca só de lembrar. Não há nada melhor que os cafés da manhã de hotéis interioranos. Tudo tem um sabor tão especial! Ah, aquele pão com tempero verde e o queijo tipo minas! Não se encontra igual em lugar nenhum. Depois de me deliciar, fomos passear pelas redondezas. Visitamos outra pousada, a Dos Pinhos, que é simplesmente maravilhosa. Gostaríamos de ter reservado lá, mas estava lotada. Fizemos belas fotos, tomamos uma taça de vinho e continuamos nosso passeio, até lá pela hora do almoço, quando retornamos à Aracê. Lá na Cantina comemos uma refeição bem mineira, com um feijão inigualável e polenta frita com queijo. Hummm!

À tarde voltamos para casa, fazendo algumas paradas pelo caminho, na Casa da Bica e no Hotel Vista Linda. Só para contemplar e fotografar.

Depois de dias tão tumultuados como foi a semana passada, esse passeio serviu para restaurar o vigor e as energias. Curti muito, me deliciei (muito além do que devia) com as guloseimas que só aquela gente sabe preparar, dei estrondosas risadas com meu bem-humorado marido e me encantei com os lugares lindos por onde passamos. A natureza tão linda e exuberante nos revela o cuidado de Deus em nos oferecer tão perfeita criação, que nos alegra a alma só de olhar.

Presentão, vocês concordam?

Agora apreciem as fotos abaixo e outras dezenas delas aqui também.







sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Lindo dia!

Hoje, no caminho para o trabalho, falei para o Nil: “Como o dia está lindo! Está fazendo uma manhã muito gostosa!”.

O dia amanheceu ensolarado, com o céu super azul, mas não muito quente - não posso dizer o mesmo neste momento, 11h e 21 min., em que a temperatura está em torno de 32º - pena que eu estava sem a câmera para tirar umas fotos. Nosso novo trajeto de casa para o trabalho é bem mais bonito que o anterior e inspira a registrá-lo e compartilhar com vocês. Farei isso qualquer dia desses.

Aqui em Vila Velha e Vitória, cidades onde transito diariamente, o clima é sempre muito quente. Praticamente não temos inverno. Nessa estação, quando estamos dentro de casa, podemos ficar tranqüilamente sem agasalho, apenas lançando mão deles ao sair. Mesmo assim devem ser leves ou não os suportamos. Raros são os dias em que podemos colocar um casaco de lã ou um cachecol. Quem o faz, é por pura rendição à elegância típica da estação, e nem tanto por frio de verdade.

E se o frio vem tímido, o calor vem com tudo. Não é à toa que nossos visinhos mineiros sempre invadem as praias capixabas – que são maravilhosas – visto que Deus os privou dessa Sua indescritível criação. Eu amo o mar! Não me imagino morando numa cidade tão quente onde não haja praias. Aqui elas são necessárias. E eu tive a felicidade de me mudar para bem perto de uma delas, a Praia de Itaparica (sem foto, por enquanto). É só andar um pouquinho e lá estou eu, me refrescando do sol escaldante.

O barato daqui é que podemos fugir do calor de vez em quando. É só subir a serra rumo à cidades como Domingos Martins, Pedra Azul e Santa Tereza, e podemos curtir o clima agradavelmente fresco das montanhas. É para uma dessas cidades que eu vou neste fim de semana. Pedra Azul. Já estou ansiosa por compartilhar o passeio com vocês. Até segunda!

P.S.: Hoje eu ia postar sobre o stresse que tenho vivido com as lojas, que nos deixaram na mão até agora com a montagem dos móveis que compramos. Mas resolvi escrever sobre coisas boas. Vocês não imaginam o bem que isso me fez.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Obrigada Vivi!

Apesar do pouco tempo, eu não poderia deixar de mostrar para vocês o presente e o carinho que a Vivi deixou para mim em seu blog. Acontece que ela viu no orkut que o meu aniversário se aproxima (18 de fevereiro) e me presenteou com as flores e o poema abaixo. Amei!

Vivi, já te agradeci no seu blog, mas quero deixar registrado aqui no Prisma, mais uma vez, o meu agradecimento e o grande apreço que tenho pela sua amizade. Muito obrigada!

Aos Moços - Cora Coralina
"Eu sou aquela mulher
a quem o tempo muito ensinou.
Ensinou a amar a vida.
Não desistir da luta.
Recomeçar na derrota.
Renunciar a palavras e pensamentos negativos.
Acreditar nos valores humanos.
Ser otimista.
Creio numa força imanente
que vai ligando a família humana
numa corrente luminosa da fraternidade universal.
Creio na solidariedade humana.
Creio na superação dos erros e angústias do presente.
Acredito nos moços.
Exalto sua confiança, generosidade e idealismo.
Creio nos milagres da ciência
e na descoberta de uma profilaxia futura dos erros e violências do presente.
Aprendi que mais vale lutar do que recolher dinheiro fácil.
Antes acreditar do que duvidar."

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Atualizar é preciso

Gente, esta mudança está mexendo comigo. São tantas coisas para resolver – em momento de folga do trabalho, sou seja, pouquíssimo tempo – que estou tendo sintomas físicos de stresse. Tomara que tudo isso passe bem rápido.

Hoje achei um tempinho para vir aqui responder retardatariamente os comentários dos 3 últimos posts (que vergonha!) e dar uma atualizadinha na lista de blogs, tinha muita gente de fora. Também coloquei uns avisos importantes aí do lado, leiam, por obséquio. Só não consegui escrever um post sobre algum assunto bacana para vocês. Perdoem essa pobre blogueira, por favor, mas estou mesmo com pouco tempo – e postando somente do trabalho, por enquanto – espero que essa fase seja breve.

Se eu não conseguir postar mais nada esta semana, prometo que na próxima terei texto e fotos deliciosas para compartilhar com vocês.
∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞

Já que a Geórgia ofereceu a todos os amigos do “Saia Justa”, e eu me considero um desses muitos amigos, tratei de trazer o selinho de presente. Olha que lindo! Também o ofereço a todos os meus queridos leitores, tão importantes para este bloguinho. Podem levar.

∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞

A blogosfera mais uma vez está sendo solicitada a comparecer com o peso de sua opinião. Dessa vez a blogagem coletiva acontecerá em 8 de março e tratará sobre a luta dos direitos da mulher. Que participar? Acesse o blog da Lys e cadastre-se. E não esqueça de divulgar.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Conte as suas

Recebi um Meme da Geórgia. Essa brinacadeira sugere que eu conte seis das minhas peculiaridades. Então aí vai:

Gema mole – Poucas coisas são tão saborosas para mim como um ovo frito com a gema mole para derramar sobre o arroz com feijão. Eu amo!

Não ando descalça – Não consigo nem mesmo colocar o pé todo no chão se não estiver calçada. Fico pisando com as pontas dos dedos ou com as laterais do pé.

Alergia – Sou muito alérgica e uma das formas que a alergia mais me ataca é a nasal. Fico sempre com o nariz tão congestionado que preciso inserir meia seringa de soro em cada narina para descongestionar. É só colocar o soro e tudo volta ao normal. Isso acontece quase todos os dias.

Folhas mal dobradas – Detesto ver folhas de papel dobradas de qualquer jeito. Tem que ficar ponta com ponta, margem com margem e a dobra bem retinha.

Ventilador – Acostumei tanto a dormir com ventilador ligado que até no inverno não o deixo de lado. O silêncio total me incomoda, preciso do ruído do ventilador para conseguir dormir.

Falo sozinha – Desde criança tenho essa mania. Chegava a contar histórias para mim mesma, rsrs. Hoje não chego a tanto, mas de vez em quando me pego planejando alguma coisa em voz alta.

Indico a Vivi, o Daniel, a Andréia e a Taty para contarem as suas também.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Dias de correria

Pois é, eu sumi da blogosfera por uns dias. Postei na sexta-feira e nem sequer tive tempo de dar uma passada pelos blogs dos meus leitores. A verdade é que a sexta foi bem corrida no trabalho. Como teríamos folga no período de carnaval até quarta-feira (ontem), tinha um monte coisas para colocar em ordem antes de sair. Pois bem, o feriado prolongado chegou e eu tive menos tempo ainda para blogar. Acontece que estou em processo de mudança e tudo que eu não tive nesse feriado foi folga.

Já faz algum tempo que eu e Nil pretendemos nos mudar, mas alguns detalhes faziam protelar a decisão. Este ano decidimos, em fim, e fomos à procura de um apartamento. Nos últimos dias, com a ajuda de uma amiga, encontramos o que estávamos procurando e tivemos que resolver uma série de coisas de uma hora para outra para nos mudar. Passamos o domingo recebendo ligações e visitas em resposta ao anúncio que colocamos no jornal para alugar nossa casa. Depois resolvemos trocar a maior parte da mobília (o apartamento para onde vamos é bem menor que nossa casa e não comporta grande parte do que temos) e colocamos várias peças à venda. Isso tudo entre idas e vindas no novo apartamento. A maioria dos pertences que nos restou já foi embalada e levada, estamos vivendo os últimos dias numa grande casa quase vazia.

Em meio a toda essa correria, precisávamos pelo menos de um diazinho para relaxar. Na terça-feira saímos com um casal de amigos para um almoço em Santa Tereza - que acabou sendo em Santa Maria de Jetibá - na região das montanhas. Esse assunto merece um post à parte, então não vou entrar em detalhes agora.

Ontem durante toda a tarde e hoje na hora do almoço, eu e Nil fomos às compras. Precisamos mobiliar a nova casa, pois estamos com a mudança definitiva marcada para sábado e ainda faltam várias coisas para comprar.

Por conta dessas novidades repentinas, passei todos esses dias sem poder blogar. Só estou retornado agora porque ainda tenho um tempinho e um computador aqui no trabalho. Sendo assim, caros amigos, não estranhem se eu passar mais alguns dias sumida, o desaparecimento será por uma boa causa, mas prometam não deixar de passar por aqui. Deve demorar um pouquinho, mas assim que o novo ninho estiver em ordem, postarei umas fotos para apresentá-lo a vocês. Beijos mil!

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

O Horto

Mais fotos aqui

Quero lhes apresentar mais um lugar bacana da minha terra.

Durante minhas férias, no fim do ano passado, fui visitar a minha irmã que mora em Vitória. Vou explicar sobre as distâncias entre algumas cidades para que entendam melhor. A região metropolitana conhecida como Grande Vitória é composta pela capital, por Vila Velha, Cariacica, Serra, Viana, Guarapari e Fundão. As quatro primeiras cidades ficam relativamente perto, podendo seus moradores transitar por elas sem grandes dificuldade quanto à distância. Minha casa fica distante de Vitória cerca de 10 quilômetros apenas, logo, a visita à minha irmã não foi nenhuma viagem.

Pois bem, passei o dia na casa de minha irmã curtindo os últimos momentos do Yan, meu sobrinho-neto, que foi embora no dia seguinte. À tarde eu e meu outro sobrinho, o Flávio, resolvemos fazer um passeio. Fomos a um dos vários parques municipais de Vitória, o Horto de Maruípe (Maruípe é a região em que minha irmã mora).

O Horto é um lugar belíssimo. As pessoas costumam fazer cooper e piqueniques por lá e até as noivas freqüentam o lugar para fazer seus books fotográficos de casamento. As belas paisagens convidam a um passeio, à meditação, a uma caminhada solitária ou acompanhada, à contemplação, simplesmente. Seja como for, podemos viver momentos muito agradáveis ali. Havia muitas famílias com crianças, gente sentada nos extensos tapetes de grama bem verdinha a conversar animadamente, grupos de jovens passeando, casais curtindo o cenário romântico que o local proporciona. Os lagos que cortam o parque refletiam a prateada luz solar enquanto patos em bando nadavam tranqüilamente por eles. Algumas crianças até aproveitaram para se refrescar nas piscinas naturais de um dos recantos.

Foi uma tarde muito agradável e aproveitamos para clicar bastante a paisagem exuberante do lugar. Vocês podem conferir mais imagens no link no início da postagem. Espero que tenham gostado de conhecer mais um point da cidade.