terça-feira, 7 de outubro de 2008

Coisa feia

Tempos atrás, li uma história muito interessante num blog, descrevendo uma experiência pessoal hilária. Narrativa engraçadíssima! Li e deixei um comentário parabenizando o(a) blogueiro(a) por tamanho senso de humor ao escrever o artigo, elogio que ele(a) aceitou prontamente. Tempos depois, li outro texto assinado por outra pessoa contando a mesma história, exatamente como estava escrita no blog anterior. Mesmas palavras, mesmas vírgulas, mesmo tudo. Ops... Alguém copiou alguém, e agora imagino que nenhum dos dois seja o verdadeiro autor.

Infelizmente há pessoas que agem assim: publicam autorias alheias e não respeitam os direitos autorais, deixando de citar o autor. É bem verdade que alguns por ignorância, mas outros sabem exatamente o que estão fazendo. Nos casos de publicações de textos e fotos na internet, os quais na maioria das vezes não foram previamente registrados, é quase impossível manter a formalidade desses direitos, mas convenhamos, a informalidade de tais publicações não dá o direito a terceiros de tomá-las para si sem citar o verdadeiro autor, especialmente se tratando de uma criação tão primorosa como aquela que tive o prazer de ler. Isso se chama plágio. Infelizmente vivemos um tempo em que a ausência de provas suplanta a verdade. Exercer um bom caráter mesmo em situações ocultas parece algo totalmente fora de moda.

Vale lembrar que existem regras que regulam os direitos autorais. Trata-se da lei 9.610/1998. É bom sermos cautelosos em nos apropriar de criações alheias. Elas podem ter registro e os rigores da lei poderão ser amplamente aplicados ao infrator.

Quem, na utilização, por qualquer modalidade, de obra intelectual, deixar de indicar ou de anunciar, como tal, o nome, pseudônimo ou sinal convencional do autor e do intérprete, além de responder por danos morais, está obrigado a divulgar-lhes a identidade...”.
(lei 9.610/1998, Art.108)

12 comentários:

Aninha Pontes disse...

Célia, e o pior é que isso é bastante comum.
Pessoas que usam este tipo de artifício, são aquelas que no trabalho, puxam os aplausos para si próprio na maioria das vezes em detrimento de outro.
Falta de personalidade e de vergonha na cara também.
Beijos menina.

O Profeta disse...

Atravesso o céu em sonhos
Três aves do mar, três raios de sol, três punhais
Seguem-me apontados à solidão
Ah este vento que sopra nos brandais


Vem partilhar comigo uma história real



Mágico beijo

Lou Mello disse...

Permita-me uma sugestão: Informe os dois do acontecido. Certamente o verdadeiro dono tomará as devidas providências. Talvez, você fique sabendo quem é o verdadeiro autor, no final. Salvo engano.

Adelino disse...

Célia, você disse que

"...Infelizmente vivemos um tempo em que a ausência de provas suplanta a verdade."

Eu acrescentaria: mesmo com provas a verdade sai perdendo.

Concordo quando a Ana disse que isso acontece muito nos ambientes de trabalho. É verdade.
Beijos

Georgia disse...

Célia, esse tem sido um dos maiores problemas via net.

Por isso mesmo já coloquei no meu sidebar em português e em alemao que muitas fotos sao tiradas da internet.


Um abraco

Celia disse...

Célia infelizmente existem pessoas que usam muito desse expediente. copiando coisas dos outros e recebendo os elogio. Incrivel mesmo!!!!!! Bj

Andréia disse...

eu ja passei por isso. com o meu blog anterior. a menina copiou tudo até os espaços entre paragrafos e as fotos que usei.

eu fiquei doida + fazer o que neh? paz e amor p ela! hehehe

te indique um selo fofaaa

bejux

Lucy Lordelo disse...

Oi, Célia!!
Adorei como sempre seu texto. Sou sua fã.
Q coisa feia mesmo!!!
Tenho a preocupação de sempre q citar um trecho, colocar seu autor tb. É o mínimo q se pode fazer.
Mas a gente vê cada coisa por aí. rsrs
Hj inaugurei meu blog.
Uma postagem bem basiquinha. Aos poucos vou me empenhar mais. Dá uma passadinha por lá.
Um beijão.

vivendo disse...

Oi, fofura!!!Tem os que se apropriam dos textos alheios e os que colocam nos seus textos o nome de um autor famoso. A cronista Córa Ronai, do Oglobo, tem um livro que fala sobre o segundo caso e no blog do Dr. Drauzio Varella ele escreveu um texto falando da questão, pois vários textos têm aparecido com o seu nome...beijo, Vivi e bebê

Celia Rodrigues disse...

Oi, pessoal! Agradeço a todos pelos comentários! Que bom que neste assunto todos vocês compartilham a mesma opinião que a minha. Muito feio esse negócio de usurpar a posição alheia, neste caso, a de escritor.

Lou, não seria má idéia, mas não tenho mais o endereço de onde li o texto pela segunda vez, então não tem como confrontar. Fico feliz com sua visita!

Lucy! Finalmente! Passarei por lá.

Andréa Motta disse...

Célia, eu já passei por isto com um texto meu! Eu havia feito uma pesquisa sobre Carnaval para publicar no blog. Levei uma semana estudando o assunto e depois publiquei um texto por dia. Uns dois dias após encerrar a série, fui visitar uns blogs amigos e o que encontrei? Metade do meu texto como se fosse da mocinha. Como ainda sou educadinha, deixei um recado comentando sobre a imensa coincidência de termos escrito sobre o mesmo assunto e com as mesmas palavras. O post dela simplesmente SUMIU no dia seguinte! Acho que seria mais fácil citar a fonte. Um abraço!

Celia Rodrigues disse...

Andréia, que chato! Nunca tive o desprazer de ver algo que eu tenha feito sendo atribuído a outra pessoa, deve ser triste mesmo. Com certeza, seria mais fácil (e correto) citar a fonte.
Abraços!