terça-feira, 30 de junho de 2009

Um lugar inspirador



Não é nenhuma novidade o meu gosto por mostrar minha cidade aqui no Prisma. Por mais que ela seja considerada, ainda, um lugar provinciano e pouco conhecido, eu sempre me encanto com as paisagens que meus olhos descobrem.

As fotos acima foram tiradas da janela do prédio onde eu trabalho. Tenho o privilégio de me deslumbrar com essa vista todos os dias. Na primeira foto, a Terceira Ponte liga Vitória a Vila Velha, minha terrinha que aponta tímida por trás das montanhas verdes ao longe.

A segunda foto mostra a parte mais à direita, um espaço destinado a eventos que se chama Praça da Paz. Gosto bastante de passear por ali no horário do almoço. Lá no final, a praça se debruça sobre o mar em forma de deck com bancos de madeira onde podemos nos assentar e ficar apreciando as ondas que se desfazem de encontro às pedras logo abaixo dos nossos pés. O som das águas soa como uma música dos céus.

Para mim este é um lugar muito inspirador. Inspira minhas orações. Sempre vou ali para conversar com Deus, o Criador dessa natureza que O revela tão perfeito e tão grandioso!

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Bioagradável?


Passei uma semana bem “ruinzinha” com a gripe que não me poupou. Mas já estou nova em folha outra vez, pronta para curtir o feriadão a parir de manhã. :)
***

Estava lendo o blog Coisas Frágeis e me deparei com a sugestão: “Seja Bioagradável”. O texto dizia sobre pessoas que são capazes de expressar atenção, amor, solidariedade e respeito pelos outros.

A princípio, pode-se pensar que esta é uma postura comum à maior parte das pessoas, mas, na prática, não é. A maioria delas vive tão centrada em si mesma que ao menos ser gentil e amável com os outros se torna algo dispensável, e nos admiramos quando encontramos alguém com tais características.

Esse texto me fez lembrar de uma situação vivida há poucos dias. Fui com o Nil levar meu pai ao hospital para fazer a troca da sonda uretral que ele usa há mais de um ano. Esse é um processo repetitivo e extremamente desconfortável para o papai. Nessas situações é comum encontrarmos “profissionais” que são incapazes de esboçar um sorriso a um senhor de quase oitenta anos que se submete todos os meses a esse procedimento desagradável.

Nesse dia, ao contrário do que é comum, papai foi atendido por uma enfermeira muito simpática. Ela conversou com ele durante todo o tempo fazendo-o se sentir mais à vontade, utilizou de recursos a fim de minimizar ao máximo o desconforto do procedimento, sempre sorridente e cuidadosa, atenciosa não apenas com ele, mas comigo e meu marido em nos explicar formas mais adequadas para mantê-lo confortável mesmo usando a sonda e livre de possíveis infecções. Ao final, nos acompanhou até o carro e se despediu.

Eu e Nil chegamos a comentar o comportamento dela, tão incomum em outras situações semelhantes. Interessante é que incomum deveria ser a costumeira falta de amabilidade, gentileza e respeito que vemos frequentemente. A esse tipo de comportamento infelizmente já nos habituamos e, muitas vezes, até o exercemos.

Considero essa enfermeira um exemplo do que é ser uma pessoa “bioagradável”, e incentivo não só aos que lerem este post, mas a mim mesma, a demonstrar mais atenção aos outros e faze-los se sentirem como nós nos sentimos com o tratamento dela: valorizados.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Gripada...


Depois de anos de folga, ela me pegou de jeito.