quinta-feira, 10 de junho de 2010

Nada substitui um pedido de desculpas


Há muitos anos convivi com alguém que, quando magoava as pessoas - e se dava conta disso -, se aproximava com um leve sorriso oferecendo o dedo mindinho para ser tocado pelo ofendido. Era a sua forma de “fazer as pazes”, mas esse gesto nunca vinha acompanhado de um reconhecimento verbal do seu erro. E pior, ele achava que o outro era obrigado a aceitar o “seu dedo”, como se o sujeito tivesse a sorte de ele querer reatar o relacionamento. Tudo bem, esse cretino era um egocêntrico que achava que o universo girava ao seu redor, e ainda ocupava uma posição em relação aos outros que favorecia esse comportamento.

Mas há pessoas legais, gente boa mesmo, que tem uma dificuldade enorme em pedir desculpas. Será que essas pessoas se acham incapazes de errar? Sim, porque só não necessita ser desculpado quem está sempre certo. Ou será tão tremendamente humilhante para alguns o reconhecimento de um erro?

Acho que este é o ponto. Um pedido de desculpas nada mais é o que uma atitude de humilhação. É descer um degrau diante do outro e considerar-se falho com ele. É pedir ao outro de que desconsidere a culpa que carrega sobre si por tê-lo ofendido. E esse pedido é passível de uma recusa. Posição desconfortável demais! Então o indivíduo procura pular essa etapa imprescindível da reconciliação e parte para a prática de pequenas gentilezas, oferece presentinhos e faz charme para reconquistar o outro. Pior é que muitas vezes essa tática subornadora do respeito dá certo. Lamentável!

Por vezes ouço alguém dizer: “mas isso não é motivo para um pedido de desculpa, está fazendo tempestade num copo d’água”. O fato é que há uma ausência muito grande de sensibilidade e de preocupação com o bem estar alheio. Ninguém mais conhece o sentido da palavra empatia, esse sentimento fora de moda. Se conhecessem – e o exercessem – saberiam que há coisas que não arranham a si, mas são capazes de ferir profundamente ao outro.

Mas empatia e humildade é uma questão de princípios. Alguns, por mais gente boa que sejam, nunca compreenderão.

7 comentários:

Luciana Reis disse...

Excelente!
Realmente essa é uma tarefa difícil pra quem não considera ou menospreza o valor de um ser humano (ainda que não seja um amigo).
Parabéns Celinha, como sempre escrevendo com seu jeito sempre sensato e sensível.

Vanessa disse...

Realmente pedir desculpas é difícil. Muitas vezes por que é difícil dar razão ao outro e outras tantas porque, mesmo que tenhamos nós a tal da razão, não percebemos que fomos deseducados.Seguimos aprendendo :-)

Carmem Tristão disse...

o pior é quando você é OBRIGADA a viver com gente assim. Quantas e quantas vezes marido repetiu: "nnão precisa edir desculpas". acho que é porque nunca na minha vida ouvi meus e irmãos me pedirem desculpas por algo. pra você ter uma idéia: não falo com meu irmão por causa de violência doméstica a mim. motivo? ele não gosta de mim. simples assim. essa foi a respota que certa vez ele deu pra delegada. minha mãe insiste que eu volte a falar com ele. outro dia trouxe ele pra conhecer minha casa nova. peguei a chave do carro e fui dar uma volta. não. não aceito mais. tomei três surras e, como é de praxe na minha casa, fingi que nada aconteceu. na 4a. vez resolvi ignorar completamente.

Georgia disse...

Celia, excelente o texto. Pedir desculpas é muito difícil, ms tb prefiro que a pessoa nao me faca mais a viver me pedindo desculpas e continuar fazendo.
Apesar da Biblia nos falar que devemos sempre perdoar, desculpar, prefiro que o ato nao seja mais repetido. Para mim essa é melhor maneira que a pessoa tem de me dizer que realmente se arrependeu do que me fez.

Bjao

Anônimo disse...

Célia, nós vivemos num mundeo egocentrico.Nao somos capazes de parar para refletir...NADA...
Muita gente é incapaz de sacar que errou.Muita gente se acha no direito de fazer nossas escolhas...E muitas delas terminam por nos magoar.
Eu sei que muita gente se chateia quando eu envio emails perguntando se podem ajudar na minha causa...tem blogueiro, Célia que, enrolou a Editora que publicou meu livro, durante meses..De qual forma?assim:

semanalmente, escrevia falando: OLHA, SEMANA QUE VEM VOU COMPRAR O LIVRO.
Chegou a um ponto em que eu disse à Editora: por favor, esquece essa moca...Tudo tem limites...

Eu fiz isso por que percebi , Celia, que ela se sentia feliz em alimetnar esperancas...E eu dei a ultima cartada...de forma sutill...para que ela cisse na real..
nao caiu...Preferiu retirar o link do meu blog, aconselhar a amigos em comum para fazerem o mesmo...isso foi doloroso para mim...
Mas, foi bom...por que vi que nao era possivel conviver com essas pessoas
Meu comentario é resposta ao seu, no meu blog..
bjs e dias felzies'


http://graceolsson.com/blog/2010/06/world-refugee-day-2010-at-sky-friday/

Mary disse...

amiga qdo mais nova já tive meus problemas em pedir desculpas, mas conforme cresci vi o quão importante é vc reconhecer que errou, não é humilhante, e nem cai o dedo reconhecer qdo se faz algo errado, pena que muitos ñ pensam assim hein??

estava conferindo teu post anteior sobre a lei contra as "palmadas".. sou contra esta lei, acho que uma palmada na hora certa evita muitos problemas fururos.. claro que sou contra espancar a criança, mas uma palmada não mata, eu mesma levei as minhas.. hehehe..

bjos mil e ótimo domingo..

Aninha Pontes disse...

Célia:
Há pessoas que tem dificuldades com a palavra, desculpa.
Sente-se culpado, mas não consegue pronunciar a palavra.
Creio que isso ocorre, por que a pessoa, nunca se coloca no lugar do outro.
Para sentirmos o que o outro sentiu, havemos sempre de nos colocarmos no lugar do mesmo, e aí com certeza, a palavra virá, sem dor e sem tirar pedaços.
Isto também é uma questão de amor, ou falta dele.
Um beijo