segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Papai se foi...

... E hoje não tenho palavras.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Um raio de sol...

Tenho vivenciado situações que me fazem perceber a importância de celebrar a vida todos os dias. Acordar todas as manhãs e me sentir sã e bem disposta, com os pulmões cheios de ar e todos os órgãos em pleno funcionamento são dádivas incomparáveis d’Aquele que tem o controle de tudo em Suas mãos.

A vida, pelo seu fim e pelo seu início, deve ser vivida como um privilégio. Pelo seu fim, porque vejo depositado sobre o leito do meu velho pai todos os propósito e despropósitos de uma existência que chega ao fim, como dois lados de uma balança onde pendem o que valeu e o que não valeu à pena.

E pelo seu início, porque o cuidado divino sempre nos surpreende pela maestria com que Ele marca o começo de uma vida atrelado ao recomeço de outras tantas, para um futuro repleto de belíssimas possibilidades. Outro dia eles eram um casal impossibilitado pela natureza de se tornarem numa família, hoje eles são uma família: pai, mãe e filha, simples assim, como apenas Deus é capaz de realizar.

Nicole chegou de repente, depois de três longos anos de gestação em que as contrações aconteciam na alma, dia após dia. Ela finalmente chegou tão perfeita e tão oportuna como eles jamais esperavam! Nunca presenciei o nascimento de um bebê da barriga, mas tive o privilégio de presenciar um nascimento do coração, melhor, sinto-me parte desse nascimento, pois Nicole nasceu dos corações de todos nós.

Bem vinda, Nicole, amor da titia!