quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

O que Ele fez




Todo fim de ano, nesse momento de transição, de reflexão e avaliação temos o hábito de olhar para traz e fazer aquele costumeiro balanço das coisas boas e ruins que vivemos em nossa jornada. Tenho observado em conversas com amigos, nas minhas leituras, em discursos diversos e até na minha própria forma de pensar, que sempre colocamos na balança o que nós fizemos, ou que nós não fizemos e o que nós pretendemos fazer no próximo ano. Alguma coisa contra isso? Não! Nada! É até um exercício muito positivo, mas que as vezes nos entristece, nos frustra por estarmos sempre aquém do que gostaríamos. Por que não fazer algo diferente?

Quero compartilhar algo que tem me feito pensar: independente do que aconteceu no ano que está terminando, temos que voltar nossos olhos pra um tempo bem distante e celebrar o que Deus fez por nós há mais de dois mil anos, que foi o fato de Ele deixar toda a sua glória, pureza, santidade, majestade, e habitar no meio de homens que o hostilizaram, que o consideraram impostor e se propuseram a matá-lo, torturá-lo, humilhá-lo, e até compará-lo a seu arqui-inimigo pelas realizações de seus feitos extraordinários e sobrenaturais.

Quando fixamos os olhos no que Ele fez, deixamos de ficar tristes, decepcionados e até deprimidos pelo que fizemos ou deixamos de fazer durante o ano. Quando nos deparamos com Sua atitude de amar os que o odiavam, de dar vida aos que queriam matá-lo, de salvar os que não se achavam perdidos, brota em nós a esperança de continuarmos prosseguindo com excepcional sentimento de gratidão por tanto amor. Isso se chama “Graça”.

Que em todos os nossos reveillon’s possamos lembrar apenas que Ele veio ao nosso encontro como um Pai vai ao encontro do filho que estava perdido, e que essa seja nossa maior inspiração.

A todos vocês um feliz ano novo, com Ele!


Texto escrito por Nilton Rodrigues (meu marido).