Colcha de Retalhos

Eis o meu livro!

Quantas vezes escrevi aqui no blog sobre o grande desejo de publicar um livro! Tudo parece impossível quando não temos informação, orientação ou exemplos a serem seguidos. Então, quando um amigo me presenteou com um exemplar do seu próprio livro eu percebi que não estava tão distante assim de realizar um sonho acalentado por tanto tempo. Juntei meus escritos de anos, meus contos, revisei e mandei pra editora.

Escrever é um dos grandes prazeres que tenho na vida. Mas a experiência de trazer esse livro a público não foi apenas prazerosa, realizadora. De repente eu me dei conta de que esse público me leria, e isso foi de certa forma bastante assustador. Escrever é se expor. É revelar gostos, preferências, posturas, opiniões. É deixar transparecer o pensar, é mostrar um estilo, é autodenunciar a própria limitação cultural...

Fico pensando se Clarice Lispector se sentiu assim ao escrever Perto do Coração Selvagem. É, acho que isso é receio de principiante. Afinal, é claro que escritor algum agrada ao público em geral. Quem sabe num próximo livro eu consiga conviver melhor com isso...